Os empreendedores brasileiros interessados nas oportunidades do mercado asiático podem se inscrever no K-Startup Grand Challenge. O programa prevê quatro meses de aceleração em Seul, capital do país, e investimentos que podem chegar a US$166 mil.

Passar uma temporada em Seul pode proporcionar a experiência de ter contato com as práticas de grandes corporações sul-coreanas, como Hyundai, LG e Samsung, todas apoiadoras do programa, e ao mesmo tempo servir como porta de entrada para outros países da região. Já para o governo e empresas da Coreia do Sul, o principal objetivo é levar novas empresas para colaborarem com as companhias locais.

O ecossistema brasileiro para apoiar PMEs ou startups com o objetivo de competir no mercado global é muito ativo. Também há diversas startups de qualidade na área de ICT (tecnologias de informação e comunicação, na sigla em inglês)”, afirma Heonsoo Rhee, presidente do Korean Innovation Center, responsável pelo programa.

Além disso, a Coreia do Sul conta hoje com um ambiente bastante focado em inovação. É, entre as economias desenvolvidas, o país que mais investe em pesquisa e desenvolvimento, cerca de 4,5% do PIB, seguido por Israel (4,1%) e Japão (3,6%), conforme os dados da OCDE.

No Brasil, a iniciativa do K-Startup conta com o apoio da consultoria Kyvo Design-Driven Innovation. “Hoje, o K-Startup é a melhor opção para quem quiser lançar uma iniciativa já com presença na Ásia. Some isso ao mercado brasileiro”, disse Hilton Menezes, sócio-fundador da Kyvo, ao se referir ao potencial de clientes que uma startup tem para tentar ganhar escala no mercado.

As inscrições para o programa podem ser feitas aqui até o dia 14/06.