Em viagens interplanetárias, o risco de condições médicas que exigem procedimentos cirúrgicos é significante. Porém, as equipes de astronautas não são grandes o suficiente para ter um médico exclusivo. Assistência médica remota não é uma opção e a equipe deve se virar sozinha, realizando procedimentos críticos de alto risco como anestesia e cirurgia. O treinamento para realização de cirurgias em gravidade zero é caro e ineficiente, uma vez que são necessários voos parabólicos que duram apenas cerca de 20 segundos.

Pensando nisto, a startup brasileira Loox VR criou um simulador de cirurgias no espaço. Utilizando óculos de realidade virtual e controles com rastreamento posicional, o astronauta pode se movimentar pela sala e manipular ferramentas cirúrgicas.

A solução foi proposta pelo Dr. Normando Guedes Neto, neurocirurgião que detectou a oportunidade e dirigiu a equipe no desenvolvimento dos protótipos.

O projeto faz parte do Nasa Space Apps, um Hackaton que ocorreu durante 48 horas nos dias 29 e 30 de Abril simultaneamente em 187 locais e 69 países, contando com mais de 25 mil participantes.

A Loox VR produz equipamentos e conteúdo de realidade virtual, tendo trabalhado em projetos para Renault, Faber-Castell, Universal Music, Ford, Volkswagen e GoDaddy, entre outros.

Vídeo demonstrativo do simulador: