* Por Fabio Gelbcke

Já faz quase dois meses que o Gigloop chegou a Paris. No início de Fevereiro, enquanto eu e o Felipe falávamos via Skype sobre as novas funcionalidades que queríamos implementar, recebemos um e-mail nos notificando que éramos uma das 70 startups do mundo inteiro selecionadas pelo governo francês como vencedoras do concurso French Tech Ticket. Nossa conversa ficou muda, e na hora foi até um pouco difícil acreditar que era verdade. Depois de dezenas de aplicações e várias entrevistas para incubadoras sem sucesso, era finalmente a nossa vez.

O French Tech Ticket é um programa do Governo Francês que traz startups estrangeiras para a França e lhes proporciona um ano de incubação, aporte financeiro e visto francês para os fundadores. Como já havia três meses que tínhamos feito nossa entrevista e não havíamos recebido notícia alguma dos organizadores do programa, a notificação de que ganhamos veio como um choque, mas o impacto maior foi ler no final do e-mail que deveríamos estar em Paris, na incubadora, dentro de, no máximo, três semanas para assinarmos os contratos e darmos início à incubação.

Em 21 dias cumprimos uma maratona para comprar as passagens, tirar os vistos e cancelar as contas brasileiras, para no dia 23 de Fevereiro, um dia antes do prazo final, estarmos na incubadora. Como eu já morava em Paris, o Felipe e eu nos esprememos no meu pequeno estúdio e nos preparamos para começar o programa.

Ao se inscrever no French Tech Ticket, cada startup selecionou dentre as 41 incubadoras, em quais ela gostaria de ser acelerada por um ano. E nós, juntamente com a indiana TaleHunt, estamos na incubadora Schoolab. Nós a escolhemos pois tem em seu ambiente desde startups que estão começando até projetos de inovação de empresas grandes, o que nos permitindo trabalhar e aprender com pessoas de vários backgrounds diferentes.

Na primeira semana, após nos instalarmos na Schoolab, o programa já começou com tudo: conhecemos os coordenadores e mentores, tivemos nosso business model desafiado pelas outras startups e já tivemos aulas sobre estratégias para B2B na França e estruturas legais de empresas do país.

Já nessa semana, tivemos contato com startups de mais de 20 países, e esse convívio com pessoas super inteligentes de todas as partes do mundo é um dos pontos mais fortes do French Tech Ticket. Essas startups rotineiramente trazem para o grupo insights de seus mercados de origem, estratégias de internacionalização e dicas para ganhar escala, o que tem nos ajudado imensamente.

Na semana seguinte viajamos a Lyon, no leste da França, para a inauguração oficial do programa, que contou com pitches das startups vencedoras, palestrantes excelentes, como ministros franceses e Bruno Bonnello, ex-CEO da Atari, e, como não pode faltar na França, vinho e queijos para uma sessão de networking.

Até agora a nossa participação no French Tech Ticket tem sido uma experiência inacreditável, que não só tem ajudado a desenvolver nossa startup, mas também a crescermos muito como empreendedores e pessoas. Temos ainda várias atividades e eventos interessantes marcados para as próximas semanas, então logo voltaremos ao Startupi para compartilhar um pouco mais sobre a nossa experiência na França.


O CTO do Gigloop, como era de se esperar, é apaixonado por tecnologia, tanto que foi aluno do IME, uma das melhores universidades do mundo, por dois anos e meio. Mas a atração pelo mundo de negócio o levou a trocar o Brasil por Paris, para estudar na faculdade francesa École 42, a primeira instituição de ensino superior do mundo a adotar uma política de aulas sem professores. Além do Gigloop, Gelbcke também é cofundador do portal e canal Direito em Tela, que oferece aulas gratuitas de Direito e tem mais de 5 milhões de visualizações no YouTube