No último fim de semana, dias 29 e 30 de abril, Curitiba (PR), Maringá (PR), Recife (PE) e Serra (ES) foram as sedes brasileiras do Nasa’s International Space Apps Challenge 2017, apresentado pela Nasa como o maior hackathon do mundo, que chegou neste ano à sexta edição. Equipes foram selecionadas para a etapa mundial, que será realizada nos Estados Unidos ainda neste ano.

O objetivo do hackathon promovido pela Nasa foi encontrar soluções que pudessem atender às necessidades globais aplicáveis à vida na Terra e no espaço. Em Curitiba, participaram 258 pessoas; na cidade de Maringá, foram 228 participantes; já em Recife foram 49 pessoas no evento; e em Serra foram 242 participantes, segundo a organização.

As equipes foram formadas por cinco pessoas que tinham que desenvolver projetos inovadores de acordo com seis macrotemas, que eram também divididos em subtemas específicos, conforme explica o organizador do evento em Curitiba, Kleber Bastos Gomes Junior. Na capital paranaense, o hackathon foi realizado pelo Jupter TechSpace. “Cada cidade tem sua equipe organizadora. Em Curitiba tivemos dois meses para organizar e realizar o evento”, diz.

Escolha

De cada um dos municípios brasileiros, assim como das demais cidades do mundo, foram dois projetos inovadores que se consagraram vencedores e que vão participar do evento global, realizado pela Nasa nos Estados Unidos. A data de realização do evento em território norte-americano ainda não foi confirmada.

Além dos grupos que venceram durante os dias do evento, cada cidade terá uma terceira equipe que será escolhida pelo voto popular. A escolha acontece por meio do site oficial do evento. O anúncio das demais equipes selecionadas será feito no mês de maio deste ano, também pelo site.

Desde sua criação, em 2012, o Nasa Internacional Space Apps Challenge tornou-se um dos maiores hackathons do mundo. Na edição de 2017, segundo o site da organização mundial do hackathon, foram produzidos 1.980 projetos entre todas as cidades participantes.