A operação Carne Fraca por parte da Polícia Federal, que revelou alegados esquemas de corrupção envolvendo empresas, fiscais e inspetores sanitários daquele que é um dos maiores produtores e o maior exportador de carne bovina do mundo, já levou à suspensão de 21 empresas investigadas, bem como ao anúncio, por parte da União Europeia, de um pedido de embargo para a carne brasileira. Suíça, China, Hong Kong, Chile e Coreia do Sul também já decretaram medidas similares.

No rescaldo dessa operação, toda a indústria e principalmente o produtor pagará uma fatura bem cara, dos crimes que alguns praticaram. Na União Europeia os escândalos alimentares em torno da carne são frequentes e apesar do mercado ser altamente regulado, a quebra de confiança dos consumidores nos produtos é sentida pelos produtores através da quebra da procura e baixa dos preços.

Neste sentido, pensando em uma solução para esse problema, Miguel Lupi e João Gomes criaram em janeiro de 2016 a startup Faarm, com a missão de dar a todos a possibilidade de partilhar e seguir informação com significado sobre a origem e percurso dos alimentos. Através da plataforma de gestão pecuária Muuu, a tecnologia analisa atividades e transações de bens agrícolas e produtos na cadeia de valor, e devolve um certificado de boas práticas e qualidade digital que as empresas podem usar para promover os negócios junto de clientes e consumidores finais dos produtos.

Esta plataforma permite a comparação dos dados de gestão das explorações pecuárias com as melhores práticas da indústria e os mais elevados padrões de qualidade e segurança alimentar, mostrando ao consumidor final através de uma página na internet, que é seguro e saudável consumir a carne proveniente desta exploração.

Em entrevista ao Startupi, Miguel conta que qualquer pessoa que trabalha nesta indústria pode criar uma conta gratuita, gerir qualquer número de animais na sua fazenda, construir o certificado e compartilhá-lo. O negócio é monetizado com serviços dentro da plataforma para as fazendas usarem os seus certificados e acederem a compradores de todo o mundo, aumentando os seus canais de vendas.

Com esse momento da Carne Fraca em que o Brasil pode perder o seu estatuto como maior país exportador de carne, é urgente que os produtores se profissionalizem e adotem as melhores ferramentas tecnológicas à disposição, para se demarcarem dos erros de alguns. “Com a Muuu, produtores, associações, frigoríficos e inspetores sanitários podem trabalhar em conjunto partilhando informação em tempo real, para prevenir e detetar problemas o mais próximo da origem. Dessa forma, acreditamos que quando ocorram, seja possível isolar esses problemas e atuar, sem colocar em risco os negócios de toda uma indústria que tem muitas famílias honestas trabalhando, alheias a tudo isto”, destaca Miguel.

Segundo o empreendedor, o Brasil tem 214M de cabeças de gado e é o maior exportador mundial de carne. No entanto, ainda tem um potencial imenso para desbloquear já que 80% da produção vai para o mercado interno e a maioria dos rebanhos não têm os animais identificados individualmente, sendo essa a principal barreira à exportação para mercados internacionais. “Acreditamos que ao lançar o nosso aplicativo e API para programadores de outras startups que trabalham na pecuária no Brasil, podemos trazer em conjunto transparência e garantia de origem às fazendas brasileiras”, acrescenta o empreendedor.

Atualmente a startup está incubada no programa Startup Lisboa em Portugal, eles também venceram o Startup Simplex, concurso de modernização administrativa do Estado Português e o Startup Lisboa Boost, onde conseguiram um investimento de €100.000 da Caixa Capital. A startup ainda recebeu um investimento adicional da ANIDEA, um business angel de São Paulo.

Para o segundo semestre, o objetivo de Miguel é consolidar o mercado brasileiro e desenvolver parcerias, lançar o produto localizado para mais geografias, crescer em número de bovinos reconhecidos e certificados na plataforma, e conseguir os primeiros contratos internacionais para as fazendas. Miguel destaca que também está planejando levantar uma nova rodada de investimento no último trimestre de 2017.