*Por Fernanda Santos e Marystela Barbosa

No Vale do Silício, um dos maiores hubs de empresas de tecnologia do mundo, apenas 30% das startups são geridas por mulheres. No mundo, este número não passa dos 18%. Em São Paulo, a quantidade é ainda menor: apenas 13% das startups são fundadas e/ou gerenciadas por mãos femininas. Como mudar este cenário para melhor?

Imagine seis startups, de segmentos distintos, lideradas por mulheres, em uma casa por 72 horas. Agora imagine uma programação intensa com diversas palestras, reuniões, dinâmicas e muito networking. Foi exatamente assim a primeira edição da Casa das Empreendedoras, que aconteceu durante os dias 15, 16 e 17 em São Paulo.

A iniciativa é realizada pela Prefeitura de São Paulo, por meio da Tech Sampa, e pela Rede Mulher Empreendedora, em parceira com as empresas de tecnologia Airbnb e Oracle, a Wayra – aceleradora do programa Telefonica Open Future, o escritório Souza Cescon, a produtora Beats Brasil, a Associação Brasileira de Startups e o portal de conteúdo STARTUPI.

As seis startups foram vencedoras da última edição do Prêmio Mulheres Tech em Sampa, idealizado com o objetivo de reconhecer e fomentar a participação de mulheres em áreas como tecnologia e startups.

Todas as atividades aconteceram em uma casa oferecida pelo Airbnb e Bruno Lewicki, Diretor de Políticas Públicas da companhia para América Latina, fez questão de passar pela casa para bater um papo com as empreendedoras. Bruno destacou que a plataforma é alimentada por uma crescente comunidade global de mulheres anfitriãs que tem superado em número os homens ao redor do mundo. Outra curiosidade é que as mulheres anfitriãs ganham mais de US$10 bilhões com o Airbnb. “Esse casamento Airbnb e Casa das Empreendedoras tem tudo a ver com o momento que a plataforma está vivendo”.

A Vereadora Aline Cardoso, também marcou presença na Casa e falou sobre a política de apoio aos empreendedores. “A ideia dessa iniciativa é aprofundar o conhecimento das empreendedoras ganhadoras do prêmio e inspirar outras mulheres que desejam iniciar nessa jornada.”

O secretário municipal de Inovação e Tecnologia, Daniel Annenberg, passou a manhã na Casa com as empreendedoras, e ratificou o apoio da prefeitura de São Paulo ao projeto. “É com iniciativas como esta que o cenário de mulheres nas startups e na tecnologia aumentará. É muito importante o apoio da prefeitura e demais governos nestas ações. Eu acredito muito na importância deste apoio às startups, principalmente para as empreendedoras que estão começando. A prefeitura de São Paulo vai estar sempre presente e apoiando projetos como este”, afirmou.

A Wayra ofereceu para as empreendedoras um workshop sobre vendas, investimento e marketing digital. Segundo Carol Morandini, Head de comunicação da aceleradora, a intenção é que cada vez mais mulheres entrem para o mundo do empreendedorismo e inovação. Paulo Braga, Head de aceleração, destaca que essa iniciativa é muito importante para o amadurecimento do ecossistema. “Entendemos que apoiar essa ação não ajuda só as empreendedoras, mas o ecossistema como um todo”.

Ana Fontes, fundadora da Rede Mulher Empreendedora, diz que o período dentro da Casa foi intenso, tanto para as empreendedoras quanto para as empresas que passaram por lá. “Já teve choro, gente pensando em fazer sociedade com a outra, mentoras adotando startups. A energia esteve muito intensa. Essas mulheres estão transformando não só as vidas delas, mas também os negócios delas.”

E a história de que as grandes empresas estão querendo cada vez mais se aproximar das startups, é uma realidade. A Casa das Startups contou com o apoio da Oracle, que recentemente anunciou a expansão do seu programa de aceleração de startups para São Paulo e outras seis cidades. Durante os três dias, diversas executivas da companhia passaram pela casa, almoçaram com as empreendedoras, ouviram pitch e discutiram sobre liderança, filhos, finanças e inovação.

Priscila Siqueira, VP da Oracle Digital, destacou que um dos objetivos da Oracle é contribuir com o ecossistema, seja com tecnologia, networking ou conhecimento. “Para nós é uma experiência fantástica e nova, pois estamos acostumados a trabalhar com grandes empresas, por isso a troca de conhecimento com os empreendedores é fundamental. Participar da Casa das Empreendedoras foi uma bomba de energia, conhecimento, vontade de participar e ajudar. Estou muito contente!”

Mariana Majer, responsável pela frente de startups da Oracle, destacou a importância de fomentar esta iniciativa. “Fazer parte de uma empresa reconhecida como uma instituição que pode ajudar estas mulheres é muito gratificante. Eu acredito muito no empoderamento da mulher e acredito que ainda temos muito para crescer neste meio, que por enquanto, é majoritariamente masculino. É incrível poder premiar estas mulheres e poder trabalhar com elas.”

As seis startups estão recebendo assessoria tanto na parte jurídica quanto administrativa do escritório de advocacia Souza Cescon focando na parte de propriedade intelectual em tecnologia. “Nós pretendemos sempre apoiar e disseminar a presença da mulher no cenário de inovação e tecnologia em todo o Brasil, destaca Juliana Diniz. A ABStartups, também apoiou o evento e ofereceu para as empreendedoras um ano de associação.

A Casa também proporcionou para as startups acesso a mentorias, reuniões e muita troca de experiências com empreendedores de sucesso, possíveis clientes e agentes do ecossistema. Lara Branco e Mayte Carvalho, por exemplo, fundadoras da Beleza de Farmácia, conversaram com a Fundadora da Drograria Iguatemi e saíram da reunião já com um grupo no WhatsApp. Camila Farani, Presidente do Gávea Angels, Cristiano Soares, cofundador da Vaniday, Fernanda de Lima, CEO da Gradual Investimentos, Lorrana Scarpioni, fundadora da Bliive e Isabel Humberg, Fundadora da OQVestir, também marcaram presença durante o evento.

Para fechar a maratona de três dias, as startups participaram do Dolphin Tank, onde puderam apresentar um pitch de três minutos para importantes players do mercado dispostos a ajudar as empreendedoras. O coworking WeWork, por exemplo, anunciou que irá abrir seu espaço para reuniões e eventos para todas as startups participantes.

Veja mais detalhes dos seis projetos abaixo.

Beleza de Farmácia: Aplicativo de smart choice que auxilia a consumidora na decisão de compra de beleza, liderado por Maytê Carvalho.

Celebrar: Marketplace colaborativo de serviços para festas que conecta formandos e organizadores a fornecedores de serviços, liderado por Camila Florentino.

Nahora.com: Plataforma de vendas relâmpago de passagens aéreas com até 50% de desconto, liderado por Maria Alice Cabral Maia.

SoulVox: solução possibilita que pessoas com comprometimento na fala, possam voltar a se expressar de maneira mais humanizada, liderado por Thais Romanelli.

Testr: Solução democratiza os testes de usabilidade ao simplificar os processos com uso da tecnologia, liderado por Elisa Volpato. Visite o site.

Vittude: Marketplace que conecta psicólogos e pacientes, promovendo saúde e bem-estar, liderado por Tatiana Pimenta. Visite o site.

Essa foi apenas a primeira edição da Casa das Empreendedoras. Agora é a hora das startups colocarem a mão na massa e por em prática todo o conhecimento adquirido durante a imersão. Em Agosto, as seis startups voltarão para a Casa das Empreendedoras para receber treinamento de pitch e se preparar para o grande DemoDay. No final, uma startup irá para o Vale do Silício conhecer a sede do Airbnb, receber mentoria e ter acesso ao ecossistema e grandes empresas da região.

Thais Piffer, Gerente de Negócios da Tech Sampa, conta que essa iniciativa superou todas as suas expectativas. “As meninas saíram daqui super inspiradas e isso foi super bonito. Uma das coisas que elas mais gostaram foi que, no fim, elas não ficaram mais conectadas apenas com os próprios negócios, mas também entre elas. Durante os três dias, as mentorias e treinamentos não foram focados somente nos negócios, mas também no desenvolvimento pessoal das empreendedoras.Estamos muito felizes com as empresas que apoiaram o projeto e com as empreendedoras que se doaram para fazer a Casa acontecer”, destaca.

E para todos que ficaram curiosos, após o fim desta premiação, em agosto, os planos são de realizar mais uma edição do Prêmio Mulheres Tech em Sampa. “Pretendemos realizar várias outras edições do Prêmio, e para isso acontecer dependemos muito da ajuda dos parceiros e apoiadores da iniciativa”, finaliza.

Quer saber mais detalhes sobre o que rolou na Casa e como foi a experiência pela visão das empreendedoras? Assista aos vídeos e depoimentos exclusivos no Startupi Play.