Toda empresa nascente precisa de apoio para se consolidar no mercado a atingir a tão sonhada escalabilidade, ou seja, o crescimento sustentável. É com esse objetivo que a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais, criou o FIEMG Lab, programa que irá abraçar novos negócios de impacto e viabilizar a aceleração de todos eles.

O Inatel, como um celeiro de novos negócios surgidos por meio dos seus programas de incentivo ao empreendedorismo e incubação, não podia ficar fora dessa iniciativa. Quatro startups que integram o ecossistema de inovação da instituição foram selecionados para participar do programa.

Inatel

A Dágora, plataforma educacional de Social Learning, é uma delas. A empresa, que integra a Incubadora do Inatel, foi uma das participantes do Seed, programa de aceleração que contou com empresas do mundo todo, e também do Bloombtech, programa de desenvolvimento estratégico voltado para empresas incubadas mineiras, no qual foi eleita uma das empresas mais mobilizadoras do Estado. Isso porque, além de manter a plataforma, a empresa também participa da organização de diversos eventos de caráter social, que tem mudado a realidade da cidade de Santa Rita do Sapucaí, onde está sediada.

Duas startups que integram o Crowdworking Vale da Eletrônica – programa de apoio ao empreendedorismo e inovação desenvolvido dentro do Inatel pela Telefónica/Vivo, em parceria com a Ericsson – também foram selecionadas. A EasyFix, que desenvolve soluções para a gestão inteligente dos processos de manutenção de equipamentos hospitalares, e a Skyll, criadora de um sistema para monitoramento dos sinais vitais e desempenho de atletas, terão a oportunidade de dar continuidade à jornada vivida no Crowdworking, ingressando na fase de aceleração proporcionada pelo Fiemg Lab.

“Nesse início de ano nós finalizamos nosso MVP e temos a intenção de colocá-lo em funcionamento em duas empresas do sul de Minas. A ideia é que as empresas testem e validem essa solução durante um mês. Agora com a aprovação para o programa de aceleração da FIEMG, temos um novo desafio. Nossa expectativa é que esse programa nos ajude a nos firmar como empresa e abra novas oportunidades de negócio”, afirma Larissa Rosa, uma das sócias da EasyFix.

O projeto MoT – Monitoring of Things, que acaba de ingressar no programa de Pré-Incubação do Inatel, integra os quatro representantes da instituição no Fiemg Lab. A ideia premiada na Fetin 2016 e apresentada na Campus Party deste ano, consiste em um sistema de monitoramento de temperatura à distância, voltado para câmaras frias de conservação, utilizadas para armazenar vacinas, laticínios, alimentos e bebidas em geral.

A partir de agora, as startups passarão por atividades de orientação para o amadurecimento do time e do modelo de negócio. O programa será composto por quatro etapas e, ao final, os cinco negócios de maior potencial serão escolhidos para vivenciarem uma experiência de expansão acelerada com projeção internacional.