Aconteceu ontem o DemoDay da primeira turma de residentes do Campus São Paulo do Google. Lançado em junho, o espaço é voltado para o desenvolvimento do ecossistema de startups ao redor do mundo. São Paulo foi a sexta cidade do mundo a receber um Campus.

Em oito meses de existência, o Campus já tem mais de 60 mil membros – onde mais de 35% são mulheres -, e já realizou mais de 400 eventos até agora, todos abertos à comunidade empreendedora. Em 22 de agosto as 15 startups selecionadas entraram para o Campus, escolhidas entre quase 900 candidatas, e selecionadas de cinco estados do Brasil. De acordo com André Barrence, diretor do espaço, “o Campus fez de tudo para que elas crescessem e se desenvolvessem, e hoje elas saem muito maiores do que entraram.”

Assista abaixo os pitches das 15 empresas e conheça um pouco de cada uma delas:

A Bliive é uma rede colaborativa de troca de tempo que empodera pessoas a viverem novas experiências usando seus conhecimentos e habilidades como moeda.

A Cuponeria oferece cupons de desconto e conecta anunciantes ao público final. É um serviço de mídia de performance para o varejo e também uma plataforma de economias para os usuários.

A Easycrédito conecta pessoas que dispõem de pouco acesso a serviços financeiros com empresas que oferecem empréstimos e financiamentos. A plataforma cria uma experência de contratação de crédito online com foco no consumidor.

A Idwall é uma plataforma que automatiza o processo de decisão de empresas através da coleta automática de dados e inteligência artificial. Uma tecnologia que pode ser aplicada em diversos tipos de indústrias, setores e diferentes departamentos dentro de uma mesma empresa.

A Nama é uma plataforma SaaS de CRM e chat que usa inteligência artificial para atender usuários conectados através de Chat Web, Facebook, SMS, Telegram, Slack, entre outros.

A Eureciclo conecta empresas de bens de consumo com recicladores através de Certificados de Reciclagem gerando impacto ambiental, social e financeiro.

A ProDeaf quebra barreiras da comunicação por meio de uma plataforma que traduz línguas orais para línguas de sinais.

A Scicrop é uma startup de tecnologia para o agronegócio. Ela traz uma solução de smart farming e big data analytics que permite análises de risco, aumento da produtividade e otimização de recursos no campo.

A SenseData é uma plataforma de Customer Success que apoia seus usuários na gestão e fidelização de seus clientes.

A Smarttbot trabalha com automação de investimentos na Bolsa de Valores. Os robôs retiram o fator psicológico do processo de investimento por parte de seus clientes e os liberam da necessidade de monitorar constantemente o mercado e seus constantes movimentos.

StoryMax cria app-livros atraentes e engajadores para tablets e smartphones, proporcionando experiências de leitura profunda, reflexão e aprendizado.

O Trakto é um aplicativo que permite que profissionais e empresas criem e publiquem materiais de marketing de impacto.

A Upbeat Games é uma desenvolvedora de jogos para plataformas móveis. Sua missão é criar jogos sociais divertidos e de alto engajamento que possam ser jogados de qualquer lugar através de dispositivos móveis.

O júri que compôs a banca para as apresentações teve três nomes de peso: Fábio Coelho (VP do Google Brasil), Vivian Zietemann (head de M&A da Movile) e Edward Wible (cofundador do Nubak).

A startup vencedora selecionada pelos jurados foi a AlugaLogo é uma plataforma para locação de equipamentos para construção e indústria. Ela conecta locatários e locadores, aumentando a velocidade de contratação e reduzindo a frota ociosa.

Em janeiro, a empresa contratou quatro novos colaboradores e fechou contratos equivalentes a 1.000 novas máquinas. Em setembro, os pedidos de cotação da AlugaLogo mais que dobraram em relação ao mês anterior.

Startup Alugalogo

O público também pode selecionar sua startup favorita. Com a pergunta “Em qual destas 15 startups você investiria”, quem assistiu do auditório do Campus ou dos livestreamings apresentados também pode selecionar uma empresa para receber um troféu.

A vencedora do voto popular foi a Baby&Me, uma marca de produtos práticos e inovadores para a primeira infância, amparada por uma comunidade de mães que participa ativamente da criação e distribuição desses produtos.

Startup Baby&Me e jurados

Durante sua residência no Campus, a startup mudou sua estratégia de vendas, fechando seus quiosques físicos, e se distanciando do varejo. Em seguida, lançou as HappyMoms, sua rede de venda direta composta por mães usuárias de seus produtos. Além disso, contratou 2 membros do Campus São Paulo como novos integrantes do time.

A próxima turma de residentes será anunciada dia 2 de março, próxima quinta-feira. Em entrevista ao STARTUPI, André Barrence diz que, para a próxima turma, o Campus focou em empresas que já estivessem com um produto bem robusto. “Também focamos em algumas tecnologias que achamos interessantes, e até como Campus, podemos ajudá-las a se desenvolverem. Por enquanto estamos na fase de entrevistas, e já tivemos um comitê de juízes avaliando as candidatas”, explica, dizendo que agora é o momento de conversar e alinhar com os empreendedores.

Banca avaliadora dos pitches

“O programa validou uma hipótese que nós tínhamos. Apesar de serem de mercados diferentes, mas por terem desafios de produtos ou negócios que podem ser compartilhados, isso gera uma troca entre elas que é muito abundante. Isso ajudou a acelerar a curva de aprendizado e, consequentemente, no desenvolvimento de várias delas. A sensação que fica é a de que é possível fazermos um programa aqui no Brasil com startups de autíssimo nível para ajudá-las a crescerem ainda mais”, finaliza.