O CPqD acaba de formalizar a criação de um Comitê de Inovação, que tem como objetivo assessorar o Conselho Curador na definição das linhas de ação da organização para pesquisa, desenvolvimento e inovação tecnológica. O novo comitê é formado por oito representantes dos setores empresarial, acadêmico e de governo, que foram convidados e nomeados pelo Conselho Curador.

“Essa é mais uma iniciativa de inovação aberta, que visa aproximar cada vez mais o CPqD de outras instituições e de empresas que atuam na área de Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) e que fazem parte do sistema nacional de inovação”, afirma Alberto Paradisi, vice-presidente de Pesquisa e Desenvolvimento do CPqD, que foi nomeado secretário executivo do novo Comitê. “Com isso, estamos dando mais um passo importante no sentido de manter nossa posição de vanguarda tecnológica, alinhada às necessidades do mercado e da sociedade brasileira e às principais tendências mundiais das TICs”, acrescenta.

O Comitê de Inovação do CPqD é presidido por Marlene Pontes, professora da PUC-Rio de Janeiro e representante do Brasil nos órgãos de regulamentação de telecomunicações da UIT (União Internacional de Telecomunicações). Além dela, conta com mais três integrantes do setor acadêmico: os professores Christian Rothenberg, da Unicamp, Roberto Marcondes Cesar Jr, da Universidade de São Paulo (USP), e Eunézio Antonio de Souza, da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

José Sampaio Gontijo, diretor do Departamento de Ciência, Tecnologia e Inovação Digital do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), e Irecê Fraga Kauss, chefe de departamento no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), representam o governo. Dois executivos da indústria de tecnologia completam o novo Comitê deInovação do CPqD: Roberto Jacques de Medeiros, diretor sênior de Desenvolvimento de Produtos da Qualcomm, e Max Leite, diretor de Inovação da Intel do Brasil.

Os membros do Comitê têm mandato de dois anos – com possibilidade de renovação – e deverão se reunir, regularmente, quatro vezes por ano. A primeira reunião está prevista para o final de março.