* Por Bruno Perin

Nunca tinha tentando essa de Nostradamus, mãe Dináh ou o clássico e genial Valter Mercado (foto). Até porque adivinhações são difíceis demais, ainda mais no universo mais dinâmico que existe: o das startups.

Claro que fora essas personalidades esotéricas, pajés, xamãs e todas as pessoas que buscam através de questões inconscientes, o risco é ainda maior. No entanto, minha ideia com este artigo é lhe passar algumas informações relevantes de movimentações que aconteceram este ano e possivelmente vão ganhar mais força ainda em 2017.

O embasamento para essa questão foi justamente as informações de mercado que tive, reuniões que participei, troca de ideias com outras pessoas do meio, trabalhos e até projetos que vejo amigos e eu também participo para o próximo ano. Portanto, aqui é apenas uma percepção dos movimentos e o que acredito que isso vai gerar no ano que vem.

#1 Startups no agronegócio

O ano de 2016 foi marcado pelas Startups no ramo da Fintech, praticamente tudo desse universo foi desafiado por novos modelos de negócio. No entanto, o agronegócio sempre foi o forte no Brasil. As tecnologias estão indo bem, mas os modelos possuem muitas oportunidades de questionamento. Existem programas sendo montados para isso em várias partes do Brasil que lançam em 2017, fora a quantidade de pessoas que já vêm trabalhando no assunto. Acredito que se tivermos alguma boa arrancada de startup neste setor, vai ser como foi para Fintech em 2016.

Acho que seria uma das melhores coisas que poderia acontecer com o nosso país, porque nos impulsionaria drasticamente e seria uma ótima área para ganhar força internacional no mercado de startups, até porque temos muita inteligência para isso.

#2 Explosão de competição de empresas

Em 2016 várias aceleradoras, ventures e anjos tiveram maior parte da sua receita através de empresas que queriam criar competições para atrair startups e acelerá-las próximas ao seu negócio. Grande parte delas estão colhendo bons frutos e a demanda não para de aumentar, portanto, além de ser uma ótima alternativa para inovação, vai gerar uma pressão nas que não estão fazendo nada.

Ninguém quer ser o banco que não atraiu o Nubank, ou a agência que não atraiu o RD Station, ou a rede de restaurantes que não atraiu o Dinneer.

Vai ter um movimento bem mais intenso nessa questão, o problema é que muitas falhas aconteceram pois usaram pessoas de inovação tradicional para trabalhar com startups, se o pessoal souber trazer pessoas capacitadas do meio para agregar aos projetos, vai dar muito certo.

#3 Batida mais forte na porta das universidades

Cada vez mais eventos nas universidades, de semana acadêmica, ao inicio das aulas, a visitas a empresas estão aumentando a quantidade de empreendedorismo envolvido neles. Foi impressionante o número de atividades que vi esse ano nas universidades com o foco de estimular o tema. Acredito que isso tem gerado uma provocação muito interessante nos alunos que vão começar a exigir mais disso nas salas de aula.

Essa é a grande questão, acredito que os alunos vão querer dos professores mais apontamentos empreendedores, aulas mais qualificadas sobre o assunto e até atividades que possam envolver o tema. O movimento está muito forte nisso e a exigência sobre o empreendedorismo nas faculdades acredito que vai explodir em 2017.

#4 Alavanca das mulheres empreendedoras

Os últimos dois anos tiveram MUITOS eventos voltados a mulheres empreendedoras, nascimento de grupos e diversas fontes de conteúdo muito interessantes voltados a isso. O que acredito ser o mais interessante é que essas sementes plantadas de estímulo ao empreendedorismo possivelmente vão dar a maior parte dos seus frutos agora. É muito comum no início do estímulo as pessoas se empolgarem, mas ainda ficarem olhando de lado, leva um tempo para a grande maioria começar a tomar atitude.

Geralmente as pessoas começam a fazer sistematicamente comparações, entre o seu estilo de vida atual e o que gostariam de estar fazendo e isso vai potencializando mudanças. Esses eventos, grupos e conteúdos vão alimentando a sementinha e fazendo com que a comparação não pare e ganhe força para o lado empreendedor.

Como o aumento de todos os três – eventos, grupos e conteúdo foi bem relevante, significa que cada vez mais mulheres continuaram a se envolver e trouxeram outras, o que certamente vai refletir em muitas empreendedoras no ano de 2017. Que sensacional! :D

O ano que passou foi incrível para o empreendedorismo, mas agora em 2017, com a economia se recuperando, mais pessoas interessadas no assunto, mais pessoas capacitadas no assunto e muita gente querendo entrar vai ser muito bom.

Se por acaso você ainda se questiona se deveria entrar neste universo de empreendedorismo e inovação de alto impacto, este podtcast pode lhe ajudar – Por que inovar com alto impacto?!?!

Acredito que dentro de cada uma dessas previsões existe uma serie de oportunidades para você aproveitar e criar. Essas perspectivas geraram muitos impactos e obviamente não só dentro delas, mas naquilo que elas têm correlação direta… Pense em cada uma e veja onde esses movimentos podem impactar e verá ainda mais oportunidades, ou até questões para se cuidar.

Que passamos fazer deste ano inesquecível. Ah, e não esqueça de me mandar as suas ideias aí do que acha que vai acontecer daqui pra frente, estamos debatendo isso ali na fan page, vamos ver o que adivinhamos =)

Se tiver com receio de fracassar em todo esse novo universo veja este vídeo:


Bruno PerinBruno Perin, um cara Free LifeStyle, empreendedor, consultor, palestrante e escritor. Autor do livro – A Revolução das Startups. Pioneiro na combinação dos conhecimentos em Startup, Empreendedorismo, Marketing e Comportamento Jovem alinhado a Neurociência. Busca das formas mais diferentes, malucas e inusitadas possíveis desenvolver pessoas e negócios que façam a diferença no mundo, de jeito divertido, valorizando a vida e o agora.