* Por Heloísa Motoki

Uma das grandes dificuldades de empreendedores é o acesso a crédito, seja com bancos, entidades ou emprestado com alguém, e o motivo não poderia ser outro: quem empresta quer receber.

Fazendo uma pesquisa no Google, um dos itens que me chamou a atenção sobre o assunto foi “pedir dinheiro emprestado e não pagar é crime?”. Por aí você já deve ter uma noção de que alguém ficou sem receber ou alguém que precisa pagar já está procurando argumentos para se defender.

Quando o assunto é buscar crédito, alguns fatores que você precisa levar em consideração é:

  • Não basta só pedir, precisa mostrar que você sabe onde será aplicado e como vai pagar

Sua empresa pode estar precisando de dinheiro, mas não adianta chegar no banco e pedir R$ 100 mil emprestado, o banco quer saber para que você quer usar e como você vai pagar.

Precisa de um equipamento novo? Argumente como isso irá melhorar suas vendas, sua produção, sua expectativa de rendimentos com ela e até mesmo quanto a parcela vai comprometer dos seus rendimentos.

  • Ter o “nome limpo” não basta

Antigamente o fator de análise de crédito era o “nome limpo”, sem restrição, hoje em dia ter isso é o mínimo. Os bancos costumam fazer uma análise de “score” (ponto), através desses dados o “score” indica a probabilidade de inadimplência de determinado grupo ou perfil, há ainda “score” sobre sua movimentação bancária e até troca de dados entre os bancos (não detalhadamente, mas sabem o índice de endividamento ou risco).

Além disso o “score” precisa ser coerente com sua movimentação fiscal. Todos os meses atendo empreendedores que tenho que recusar fazer a “Declaração de Faturamento”, pelo simples fato de não terem lastro para comprovar a movimentação.

Pior é quando se trata do “Decore”, neste caso a emissão é fiscalizada pelo CFC – Conselho Federal de Contabilidade e o contador tem responsabilidade profissional, civil e criminal pelos dados.

O contador é responsável pela informação que presta e pode ser penalizado pela declaração falsa. Se o banco que está com o dinheiro não confia, por que outra pessoa se comprometeria com a informação? Portanto não odeie o contador se ele não emitir.

  • “Me diga com quem andas e te direi quem és”

Acredite, isso também é um fator de análise, não adianta você ou sua empresa ter um bom “score” mas seu sócio ou o sócio do seu sócio, ou a esposa do seu sócio, ter restrição de crédito. Muitas vezes você nem ficara sabendo que foi esse o motivo do impedimento.

Desta forma, nunca é demais lembrar: cuidado ao fazer sociedade, participar de empresas em que você não saiba quem faz parte ou até mesmo fazer uma sociedade sem conhecer a pessoa, ou conhecer só um pouco ou só confiar na boa lábia. Pesquise, gaste um tempinho a mais para se proteger. Desvincular-se de um problema pode ser muito pior.

Ah! E lembra aquela empresa que você não usa mais, que ficou com débito e ninguém te cobrou? Pesquise! Muitos órgãos têm enviado esses débitos para protesto e os bancos estão cruzando dados e cortando limites de crédito dos sócios envolvidos. No ano passado atendi vários casos em que o empreendedor não teve seu limite de cheque especial renovado e teve cortado seu cartão de crédito. Imagina você ter que pagar ou ter executada uma dívida que nem estava esperando.


heloisa motoki rede mulher empreendedoraHeloisa Motoki  é diretora administrativa e financeira da Rede Mulher Empreendedora, fundadora da Quali Contábil e Consultora Especial no site Fórum Contábeis.  Com formação em MBA em Controladoria, Graduada em Ciências Contábeis e Técnico em Contabilidade, participante do programa de Empreendedorismo pela FGV/Goldman Sachs – 10.000 mulheres. Há 18 anos no mercado contábil, atua diretamente com pequenas e médias empresas em São Paulo.