* Por Bruno Perin

O mundo do vinho

Era um sábado no finalzinho da tarde, a temperatura estava agradável do ponto que você pode estar com um leve casaco ou uma camiseta, o restinho de sol vai batendo na janela e você sabe que ainda tem muito pela frente. A deliciosa pergunta vem – O que eu gostaria de fazer?

Lembrei da indicação de um documentário sobre vinho muito bom que havia recebido e pensei que poderia ser uma ótima alternativa – Somm é o nome dele e tem no netflix -.

Logo no início você já sabe que vem coisa boa por aí, o quanto eles destacam o fascinante mundo do vinho que viria. Para quem gosta muito, para quem simplesmente aprecia e até para quem não curte a bebida, o documentário é maravilhoso pela ideia central: o vinho realmente contém uma mística e essa são suas histórias maravilhosas, além de grandes lições que podemos levar para a vida.

Fica mais nítido ainda que quando você tem um vinho pela frente, não é apenas a bebida, mas toda uma história, com rituais e inúmeras peculiaridades que fazem o momento não ser como tomar um copo d’água, é o vinho e seu encantamento.

Isso começou a me levar a pensar “nossa, mas acontece algo parecido com as Startups que tanto chamam atenção das pessoas e também têm uma mística. O que é?”

Se você tem pensamentos sobre empreendedorismo esse podcast ajuda a entender um pouco mais sobre pensar e agir no assunto – A Diferença Entre Pensar E Agir Empreendedor.

As startups e o impossível

Essa é a combinação que gera a mística. As Startups são pessoas que resolvem desafiar uma forma tradicional de resolver determinado problema e acreditam que existe um novo jeito, impensado, incerto, cheio de riscos e picuinhas… Elas vão tentar algo inusitado.

O que chama atenção é justamente essa ideia de fazer o impossível, o que ninguém fez.

Quando pensamos em ideias que desafiaram o tempo, como Uber, Waze, Tinder, Whatsapp, isso citando apenas as mais conhecidas, percebemos que elas desafiaram o que era comum, e normalmente acreditamos que isso é impossível. Até alguém fazer.

Convenhamos, nada de fato é. Cada vez mais tem loucos provando que há um jeito, e isso cria a mística.

“O impossível é o nome que algumas pessoas deram para os sonhos que não tiveram ousadia de correr atrás.”

Por que cada vez mais pessoas querem isso?

Ora, pense no último projeto ousado que você fez, que as pessoas não acreditavam tanto, ou sabiam que seria difícil fazer, mas ao mesmo tempo seria incrível. Esse tipo de atividade nos envolve e abraça como uma avó com saudade. E no final é gostoso que só.

A verdade é que esses negócios impossíveis são cobertos de significado, passam a ser missões de vida e alma que precisam ser feitas para ajudar as pessoas e provar que sim, existe um jeito.

Vencer o impossível é uma sensação deliciosa, até quando não é com você. Quando escutamos essas histórias maravilhosas de alguém que conseguiu, sempre acabamos aproveitando um pouquinho dessa sensação, quase como passar o dedo no resto de cobertura de bolo que ficou na panela.

É ótimo quando você utiliza o máximo do seu talento em algo que realmente é um desafio, e essa é a mística das startups que trazem cada vez mais pessoas para esse mundo que o Chorão do Charlie Brown Junior já definiu:

O impossível é só questão de opinião.

Este vídeo complementa o artigo:


Bruno PerinBruno Perin, um cara Free LifeStyle, empreendedor, consultor, palestrante e escritor. Autor do livro – A Revolução das Startups. Pioneiro na combinação dos conhecimentos em Startup, Empreendedorismo, Marketing e Comportamento Jovem alinhado a Neurociência. Busca das formas mais diferentes, malucas e inusitadas possíveis desenvolver pessoas e negócios que façam a diferença no mundo, de jeito divertido, valorizando a vida e o agora.