A startup de dados Idwall com pouco tempo de vida, alça pequenos grandes vôos logo no início da jornada. Fundada no meio de 2016, a empresa criada por três engenheiros de softwares acaba de receber o carimbo de um das maiores aceleradoras do mundo: a 500Startups. O fundo focado em startups early stage, anunciou o investimento de R$500 mil na Idwall e de quebra, levou os empreendedores para um mergulho na cultura do Vale do Silício.

Lincoln Ando, Raphael Melo e Renan Esposte não têm 30 anos ainda, mas se juntaram para criar uma espécie de “Serasa Experian do futuro”, baseando alta tecnologia e uma cultura de dados apurada, para ajudar empresas de todos os tipos. E essa não é a primeira empreitada do grupo. Lincoln e Raphael já fundaram outras empresas, e Renan decidiu abandonar pesquisa e desenvolvimento na IBM para formar o trio.

Em 2016, na plenitude da revolução digital, startups como a Idwall, nascem resolver problemas atuais de segurança. Por ano, o Brasil perde cerca de R$11 bilhões com golpes que envolvem estelionato com documentos falsos. Essa já é a prerrogativa inicial para o surgimento da Idwall, que criou um sistema de inteligência artificial que identifica documentos falsos, verificação de identidade e validação de dados cadastrais. A startup ainda potencializa abertura e fechamento de contas on-line, verificação de dados cadastrais, e análise e homologação de parceiros e fornecedores.

Tudo isso de forma automática e de acordo com a necessidade da empresa. Através de uma plataforma on-line e API’s, a empresa de corridas de táxis 99, as plataformas de pagamento Moip e Vindi e financeiras de crédito como Avante, delegaram a responsabilidade de verificar dados de empresas e pessoas físicas para a Idwall.

A prevenção a fraudes, inclusive, é um dos maiores desafios para empresas em todo lugar no mundo. Nos EUA, 7% da população se deparou com algum problema de roubo de identidade ou teve algum prejuízo com fraude financeira. Isso por lá, representa cerca de U$ 24 bilhões de prejuízo todo ano. No Brasil, com o advento das contas digitais (que agora podem finalmente podem ser abertas on-line) as soluções do Idwall cabem como uma luva.

Procurada por bancos, financeiras, redes sociais e marketplaces de serviços como a 99, a startup convidou gente de peso para ajudar na mentoria e abertura de portas para o momento zero da empresa. Dorival Dourado, ex-presidente da Boa Vista SPC e executivo que passou pela diretoria da Serasa Experian, é um dos investidores do negócio.

“Os desafios crescentes encontrados na expansão de novos negócios, impõe agilidade, segurança e confiabilidade no credenciamento e identificação dos clientes. A Idwall, com inovação,  tecnologia de impacto, ajuda a transformar as oportunidades em resultados efetivos, com excelente relação custo – benefício”, ressalta Dourado.

Outros investidores anjo, ligados à indústria financeira e de internet (Caelum, Netflix, Google, Parafuzo e Kekanto), também participaram da rodada inicial, que levantou cerca de R$250 mil.

“O fator decisivo para fecharmos o investimento foi a equipe. Embora jovens, os fundadores têm grande conhecimento do mercado e experiência: atuaram no setor financeiro e já empreenderam, o que é muito importante, uma vez que as falhas passadas viram aprendizado e atalhos para o sucesso.” comenta Bedy Yang, Sócio-Diretora da 500Startups.