O investimento de TI na nuvem cresce rapidamente. O IDC prevê que, mundialmente, serviços de TI em nuvem pública chegarão a movimentar US$141,2 bilhões em 2019, com mais de 60% das empresas adotando open source e APIs abertas como base para as estratégias de integração em nuvem no próximo ano. A Microsoft está capacitando seus parceiros para agarrar essa oportunidade de nuvem e conduzir a transformação de seu negócio com soluções que servem a todos os desenvolvedores e enfrentam tanto desafios técnicos quanto de negócios.

Essa abordagem, incluindo os investimentos da Microsoft em tecnologias open source e padrões abertos, permite que seus parceiros utilizem suas habilidades para atingir uma ampla e crescente base de clientes. Anúncios recentes, da parceria com a Red Hat a tornar o Xamarin open source, até o lançamento do amigável Serviço de Contêiner do Azure, ilustra o comprometimento da Microsoft com a abertura. Agora, a empresa anunciou a prévia do SQL Server v.Next, que leva o poder do SQL Server para o Linux. Esses produtos estão ajudando parceiros, tanto novos quanto antigos, a produzir em novos cenários para nossos clientes.

Oportunidades crescentes em IoT

Um cenário que cresce rapidamente é IoT (Internet of Things – Internet das Coisas). Por isso a parceria da Microsoft com a Adafruit é uma catalisadora nesse espaço. São vendidos kits e ferramentas de hardware open source para profissionais e amadores criarem seus próprios produtos IoT. “Esperamos levar nossos valores open source para uma audiência maior, por isso trabalhamos com a Microsoft em pacotes IoT e para nos ajudar em nossos esforços nessa área”, escreve Limor “Ladyada” Fried, fundadora e engenheira na Adafruit. “Nosso relacionamento começou como hackers que trouxeram criadores para o mundo da Microsoft com o Kinect e expandimos para muito além, desenvolvendo Pacotes de IoT Microsoft para Raspberry Pi 3 e Kits Introdutórios de IoT para Microsoft Azure”.

Uma nova parceria com a Linux Foundation

O compromisso da Microsoft de trabalhar com open source se estende para além dos produtos para trabalhar lado a lado com as principais fundações e entidades, que estão criando tecnologias para a aberta e acelerada adoção comercial. Dessa forma eles se unirão com a Linux Foundation como membro Platinum. Isso baseia-se em no trabalho com a fundação, incluindo a criação de uma certificação de Linux no Azure. Esses anúncios são os mais recentes dos muitos investimentos que a Microsoft fez nos últimos anos para tornar o Azure uma plataforma de nuvem aberta e flexível, com suporte amplo e profundo para ferramentas e tecnologias open source. De fato, quase 1 em cada 3 máquinas virtuais Azure rodam Linux atualmente e 60% das imagens no Azure Marketplace são baseadas em Linux.

Alavancar o Big Data

Como foi discutido no Connect();, estamos percebendo vários consumidores procurando por formas com bom custo-benefício para obter insights de negócios, assim como resiliência e durabilidade aumentada para armazenamento de dados transacionais tradicionais”, destaca Steve “Guggs” Guggenheimer, vice-presidente corporativo da Microsoft.

Trabalhando com desenvolvedores independentes, como Hortonworks, DataSax e Cloudera, o Microsoft Azure fornece pipelines de Big Data. Ele se estende por data lake, suítes de business intelligence, aprendizado de máquina, IoT, consumo de dados em tempo real e processamento Hadoop/Spark. Recentemente, os parceiros GoDataDriven e Xpirit ajudaram um dos mais conhecidos aeroportos da Europa a aproveitar seu potencial de Big Data por meio de um ambicioso laboratório de ciência de dados, implementando o primeiro projeto de integração de dados europeu em Cloudera (Big Data e análise de dados) no Microsoft Azure.

A primeira onda de implementação já está ajudando uma equipe de cientistas de dados do aeroporto a entender o funcionamento em detalhes. A ideia é nivelar todos os recursos de dados da operação, melhorando o serviço aos clientes e a eficiência operacional, uma meta que está sendo atingida graças ao poder da combinação Azure-Cloudera.