* Por Hiran Eduardo Murbach

Empreender, muito mais do que sobre produtos ou soluções, é sobre números. O número de vendas realizadas, o número de acessos no site – ou aplicativo, ou pessoas que entram na loja -, o número que custa produzir, o número de dinheiro que entra na conta, número de dinheiro que sobra no final do mês. Enfim, empreender é quase que lidar com números o tempo todo.

Porém, é perceptível que nem todos esses números têm a mesma importância para uma nova geração de empreendedores – wannabe –  descolados e disruptivos. Esta semana, passeando pelo Facebook, em um grupo, me deparei com um anúncio de emprego que me chamou a atenção.

Nele, a pessoa com um vocabulário todo descolado e moderninho, anunciava uma vaga para uma pessoa “organizada”, com “noções de contabilidade e (que) goste dessas coisas meio chatas” e que “se dê muito bem com Excel” para trabalhar em home office e, ocasionalmente, participar de algumas reuniões presenciais.

Basicamente, a empresa precisava de um analista financeiro com domínio de Excel e noções de contabilidade. Começa que temos aí dois profissionais diferentes. Um profissional da área financeira não é especializado na área contábil e vice-versa. Claro que um tem algum conhecimento do outro, mas de forma bem rasa. Mas vamos supor que seja possível encontrar um financeiro com uma noção razoável de balanço, DRE e mais, quanto esse cara custaria no mercado hoje?

Estou meio por fora disso, mas aposto que por menos de quatro mil bruto, em carteira, será difícil encontrar alguém para exercer essa função. O valor oferecido pela empresa: oitocentos reais. Sem benefícios nem registro.

Após ver esse anúncio, fiquei alguns momentos pensando: que tipo de profissional esta empresa espera ao oferecer estes valores? Quais as proficiências e responsabilidades se pode esperar de alguém que se submeta a cuidar dos “números” e “coisas chatas” de uma empresa por R$800,00, que dá menos de um salário mínimo? E principalmente, o que passa pela cabeça de um empreendedor que está disposto a entregar estas responsabilidades na mão de um profissional desses?

É preciso muito cuidado para não transformar alguns números essenciais de uma empresa em meros detalhes – ou incômodos ao negócio. Ter eficiência e total controle das áreas financeira e contábil de uma empresa é essencial para o sucesso dela. São áreas fundamentais para qualquer tipo de negócio e devem ser cuidadas por profissionais capazes e responsáveis, e não podem ser deixados nas mãos de qualquer um, como um fardo a ser empurrado com a barriga.

Por isso, para finalizar, eu deixo uma pergunta: você teria coragem de deixar o seu site, aplicativo ou plataforma nas mãos de um desenvolvedor de oitocentos reais?


HiranHiran Eduardo Murbach é Advogado com MBA em Marketing na PUC-SP, vive o ambiente das startups há pelo menos cinco anos. Foi o responsável pelas relações com os investidores no Startup&Makers da Campus Party 2014, professor convidado do Laboratório de Startups, do Centro de Inovação e Criatividade – ESPM, e Autor dos livros “Quebrando: aprendendo com os erros dos outros”, “O Grátis no Marketing Digital” e “O que é essa tal criatividade?”. Atualmente é sócio e responsável pela área de startups e novos negócios na empresa SeuApoio.