Acontece esta semana, em Santa Rita do Sapucaí (MG), a 35ª edição da Fetin – Feira Tecnológica do Inatel. O evento é realizado por alunos do Instituto dos cursos de graduação (Engenharia de Automação, Biomédica, Computação e Telecomunicações), tecnólogo (Automação Industrial e Gestão de Telecom).

De acordo com Anderson Saldanha, professor do Instituto e coordenador da Feira, o evento não é obrigação curricular para os alunos. “Eles participam porque eles querem fazer parte. É o maior evento acadêmico do Inatel e só participa quem quer. Eles vêm pelo prazer de compartilhar com a comunidade o que eles estão criando”, explica. Um exemplo disso é que a primeira edição da Feira foi criada pelos próprios estudantes.

Para Anderson, um dos diferenciais da feira este ano é que o conceito de IoT está cada vez tomando mais espaço nas salas de aula e nos projetos produzidos no Inatel. “Você vê hoje Internet das Coisas aplicada na Biomédica, nas Telecomunicações, na Automação Industrial, em todos os âmbitos de estudo aqui”.

35ª Fetin

35ª Fetin

Este ano os alunos tiveram um desafio a mais, eles foram incentivados a criarem projetos voltados para o desenvolvimento sustentável, com base nas 17 metais globais da ONU. O coordenador explica porquê a aceitação do desafio por parte dos estudantes foi imediata: “Até o ano passado eles pensavam muito dentro da caixa. ‘Universo Santa Rita’, ‘Universo Sul de Minas’ ou até a cidade de onde eles vieram. Nós apresentamos para eles as propostas da ONU, que tem a meta de erradicar esses problemas até 2020.  Eles enxergaram isso com muito bons olhos e se propuseram a trabalhar com esta proposta, e essas soluções estão representadas no evento”.

Soluções

Até o fim desta sexta-feira, cerca de oito mil pessoas passarão pela feira, que apresenta soluções de engenharia para cada uma das competências desenvolvidas pela Instituição, como é o caso da aluna Daiane Batista, do curso de Engenharia e Controle de Automação. O projeto de Daiane apresentado na Fetin consiste em um sistema de sinais, entre luzes e vibrações, para avisar um deficiente auditivo quando alguém o está chamando.

“Quando tocar a campainha, o telefone ou o bebê chorar, por exemplo, nosso sistema acende uma luz pela casa e vibra a cama do deficiente, caso ele esteja dormindo. Caso a pessoa opte por não utilizar o sistema de vibração, ele pode ser desligado. Há também um dispositivo móvel para a pessoa carregar com ela, que também vibra e acende uma luz”, explica Daiane, que realizou o projeto em conjunto com um colega de classe, Felipe Areias Silveira, que é deficiente auditivo.

Simulação do projeto dos alunos Daiane e Felipe

Simulação do projeto dos alunos Daiane e Felipe

Raviel Alves de Paula, aluno de Engenharia e Controle de Automação e representante da equipe de robótica do Inatel, está apresentando uma das categorias dos projetos produzidos pela RobotBulls, chamada VSSS (very small size soccer), que são pequenos robôs que jogam futebol de forma autônoma. “Nós colocamos três robôs de cada lado e eles têm que jogar sem nenhuma interação humana. Nós simplesmente apertamos o play no programa e eles devem interagir entre si através de programações”, explica Raviel.

O projeto levou cerca de um ano para concluir a primeira versão, desde o dia de idealizar o produto até o dia da última competição de robótica onde a equipe se apresentou, há duas semanas. Eles participaram da LARC – Competição Latino-Americana de Robótica, que aconteceu em Recife este ano. Na categoria em que participaram, conseguiram alcançar o 2º lugar.

Projeto VSSS, da equipe RobotBulls

Projeto VSSS, da equipe RobotBulls

Alunos de outros países também participam do evento. Angolanos, colombianos e brasileiros, que cursam mestrado em Telecomunicações, estão na feira representando uma Organização Internacional de Fotônica, que tem por objetivo criar em Instituições de Ensino de diversos países “Capítulos”, ou seja, grupos que disseminem e trabalhem sobre a ciência da geração, emissão, transmissão, modulação, processamento, amplificação e detecção da luz. Na Fetin, eles mostram na prática como funciona uma rede de fibra ótica e explicaram seu funcionamento.

Alunos de mestrado do Inatel

Alunos de mestrado do Inatel

Espaço Maker

Além de todos os projetos produzidos pelos alunos das graduações, a feira conta com um Espaço Maker, especialmente organizado para estudantes do Ensino Médio. O Espaço, organizado na área de convivência do Inatel, traz atividades como workshop de eletrônica, óculos de realidade virtual, oficinas de arduíno e experimentos de física com o Ciência em Show. Para Diego, engenheiro de Computação da Instituição e responsável pelo espaço, dessa forma os estudantes do Ensino Médio podem experimentar a engenharia como um todo, porque muitas vezes estes alunos conhecem a Engenharia apenas como sendo matemática e física.

img_3055 img_3057

img_3058

Atividades realizadas no Espaço Makers da Fetin 2016

O Inatel foi criado em 1965, inaugurando o primeiro curso de engenharia de comunicações da América Latina. Hoje ele abriga mais de 1.300 estudantes em seus cursos, e a feira, em seu trigésimo quinto ano ininterrupto, já recebeu mais de 5 mil alunos apresentando seus projetos.

A 35ª Feira Tecnológica do Inatel acontece até as 22h desta sexta-feira, na sede do Inatel, em Santa Rita do Sapucaí. A entrada é gratuita.