* Por Exame.com

Realizar um sonho

Um ano depois do início das obras, a nova sede do Mercado Livre abriu suas portas.

O novo espaço, com 33.000 metros quadrados, foi apelidado de Melicidade. Meli é a sigla pela qual a companhia é negociada na bolsa Nasdaq, desde o seu IPO em 2007. Cidade porque essa é a ideia da companhia para a nova sede.

Aqui dentro, há um auditório para 200 pessoas, 140 salas de reunião, 11 salas de treinamento, além de benefícios como academia e manicure. Na foto, o espaço de café e convivência, bem no centro do ambiente de trabalho.

Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

A empresa investiu R$ 105 milhões na sua nova sede. Antes, os funcionários estavam divididos entre três prédios diferentes em Alphaville, São Paulo, o que prejudicava a comunicação e integração entre as áreas. Além disso, não havia mais espaço para expandir. Por isso, há cerca de dois anos Helisson Lemos, presidente do Mercado Livre no Brasil, começou a sonhar com um espaço maior e que desse conta de todos seus planos. Veja nas fotos o resultado desse projeto.

Expansão

O Mercado Livre foi fundado em 1999 e o primeiro escritório, no Brooklin, bairro de São Paulo, consistia de apenas uma sala. O site foi lançado na Argentina e a primeira casa dos servidores cabia dentro de uma garagem em Buenos Aires. Desde então, a empresa chegou a 19 países na América Latina. No segundo trimestre de 2016, as receitas foram de US$ 199,6 milhões, aumento de 29%. O volume de vendas feitas pela plataforma chegou a US$ 2 bilhões, alta de 21%.

Para abrigar todo esse crescimento, foi necessário se mudar para um espaço muito maior, que pode ser visto de cima na foto.

Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

Caminho para a casa nova

A cidade de Osasco foi escolhida como região ideal para a sede depois que a empresa fez uma pesquisa com os funcionários. Ela cruzou dados sobre a casa de cada pessoa e descobriu que Osasco era uma região acessível para todos. Há muitos que moram em Barueri, Santana de Parnaíba, Carapicuíba e em São Paulo.

Enquanto antes o deslocamento médio era 33 quilômetros, agora a média é de 17 quilômetros, afirmou Helisson Lemos, presidente da empresa no Brasil.

A companhia incentiva o uso de meios de transporte alternativos. A sede também fica perto de uma estação de trem e há uma van que faz o trajeto entre o transporte público e o escritório.

Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

Sombra e água fresca

O escritório ocupa 17 mil metros quadrados de um total de 33 mil metros quadrados do terreno. O resto é dedicado ao estacionamento e ao jardim, com muitas árvores e redes para o descanso dos funcionários.

Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

Vitrine para fora

O auditório fica bem na entrada do edifício, para ser usado em eventos externos. A capacidade é de 200 pessoas.

Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

Encontro com os clientes

Ao lado do auditório, estão algumas salas de reunião circulares. A ideia é trazer clientes, parceiros e fornecedores para dentro do ambiente da companhia.“Queremos trazer todos os players para dentro da nossa casa, para trabalharmos de forma integrada”, afirmou Helisson Lemos.

Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

Língua afiada

No lobby há também cômodos para o ensino de idiomas, que é oferecido aos funcionários.

Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

Investimento na reforma

O local da sede, em Osasco, era um grande galpão industrial. Para reformar o espaço e dar uma aparência moderna, foram investidos R$ 105 milhões. Cerca de 260 fornecedores e 1.500 trabalhadores ergueram a nova casa da empresa de comércio eletrônico.

O grande investimento no Brasil tem um motivo: o país é responsável por metade de todas as receitas da companhia.

Exame

Foto: Exame.com

Inspiração internacional, toque brasileiro

O espaço é inspirado nas empresas do Vale do Silício. Facebook, Apple e Tesla são algumas das empresas que têm sedes tão grandes que são chamadas de campus.

Diversos executivos viajaram até a Califórnia, nos Estados Unidos, para conhecer essas empresas de perto. No entanto, deixaram o projeto da sede do Mercado Livre bem brasileiro, diz Stelleo Tolda, vice-presidente executivo e COO da empresa, como a preocupação com a sustentabilidade.

Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

Divisão de trabalho

Todo o ambiente é um grande galpão aberto, bem semelhante à nova sede do Facebook.

Para dividir, de forma simbólica, as equipes de trabalho, a empresa nomeou cada uma a partir de um nome de cidade brasileira. Vitória, Rio de Janeiro, Oiapoque e Chuí são alguns dos exemplos de municípios presentes dentro da cidade Mercado Livre. Os nomes foram escolhidos por meio de um concurso interno entre os funcionários.

Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

Mais gente para a equipe

A empresa também cresceu nos últimos anos por meio de aquisições. No início, quando ela ainda era um serviço de leilões, adquiriu a iBazar e Arremate.com. Mais recentemente, incluiu ao seu portfólio a KPL, de sistemas de gestão, e a Axado, de logística.

Essas compras complementam a companhia, que tem buscado crescer para além de sua plataforma de comércio eletrônico.

O Mercado Pago, sistema de pagamentos, é responsável por grande parte das compras feitas no site. Cerca de 70 % das encomendas são transportadas pelo Mercado Envios, que só no mês passado entregou 6 milhões de produtos.

Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

Trabalho em equipe

Lugares para trabalhar em conjunto é o que não falta: são 11 salas de treinamento e 140 salas de reunião espalhadas por todo o complexo. Na foto está um desses ambientes.

Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

Cadeiras vazias – ainda

Diversas cadeiras ainda estão vazias no escritório novo. Isso porque há espaço para 2.000 funcionários e, hoje, são 1.200. “Não vamos definir uma projeção para o crescimento da equipe, mas isso irá acontecer naturalmente conforme formos crescendo”, afirmou Stelleo Tolda.

Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

Luz do sol

O ambiente foi projetado para permitir a entrada de luz natural. Além disso, todas as 2.800 lâmpadas são de LED, o que reduz em até 75% o uso de energia.

Para ser ainda mais sustentável, o Mercado Livre instalou 2.000 painéis fotovoltaicos para capturar energia solar. Em dias de sol, a energia solar corresponde a 50% de tudo o que é gasto no complexo.

Ela ainda possui um programa de reciclagem e reutiliza 80% de toda água da chuva, com ajuda de 4 tanques de reuso.

Foto: Exame.com

Na foto, parte da biblioteca, lugar para estudo e concentração. Foto: Exame.com

Concentrado

Aqui, outro ângulo da biblioteca. Segundo o presidente da companhia no Brasil, muitos funcionários ainda são estudantes e, por isso, precisam de um espaço para estudar durante o seu tempo livre.

Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

Anúncios e esportes

Além de servir como uma escada para os mezaninos, essa estrutura também age como arquibancada. É aqui que a empresa faz comunicados a seus funcionários, usando dois grandes telões como apoio. Em dias normais, as telas exibem programas de televisão e até jogos da Olimpíada.

Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

Telão para todos

Na foto, o ângulo oposto à arquibancada de madeira. O escritório está repleto de sofás, pufes e mesas para deixar o ambiente de trabalho mais descontraído.

Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

Encontros informais

Há salas de reunião circulares espalhadas por todo o galpão do Mercado Livre. Elas são revestidas de madeira e são cobertas de plantas. Esteticamente iguais, o que muda nas salas é o mobiliário. Há espaços com mesas e projetores e há ambientes mais relaxados, como é o caso dessa sala com poltronas penduradas do teto.

Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

Toque de artista

Na foto, está um dos armários usados pelas pessoas para guardar pertences, deixando o espaço de trabalho mais livre. Para decorar toda a sede, a empresa convidou quatro artistas plásticos, que deixaram suas marcas no mobiliário e em diversos painés. Timoteo Lacroze, Rimón Guimarães, Mart Aire e João Lelo foram os responsáveis por dar cor ao ambiente.

Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

Lazer no trabalho

Além das áreas de trabalho, a nova sede também incorporou espaços de lazer. O galpão ao lado é exclusivamente reservado ao tempo livre dos funcionários e é chamado de Meli Mall. Aqui, ficam o salão de jogos, consultórios médicos, sala de massagem, manicure, academias e o refeitório.

Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

Diversão

Como não poderia deixar de ser em uma empresa de tecnologia, o Mercado Livre disponibilizou um salão de jogos para seus funcionários. Aqui, eles passam o horário de almoço se divertindo com as mesas de pebolim, pingue pongue e videogame.

Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

Para ficar em forma

O funcionário pode escolher entre dois espaços de academia para se exercitar. De um lado estão os exercícios aeróbicos e, do outro, aparelhos voltados para musculação.

Exame

Foto: Exame.com

Na ponta dos dedos

O Meli Mall tem espaço para manicures, consultório médico, atendimento de nutricionista e uma sala para massagem.

Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

Bem completo

Na foto, um espaço para descontração, com muitos sofás e poltronas confortáveis. O Meli Mall ainda tem dois vestiários, que atendem quem vem de bicicleta ao trabalho e quem quer tomar uma ducha depois da academia.

Na foto, um espaço para descontração, com muitos sofás e poltronas confortáveis.Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

Para as refeições

O restaurante, que tem espaço para 450 pessoas, serve quatro menus diferentes: um brasileiro, grill, saladas e cozinha internacional. No dia da visita, o prato internacional era hambúrguer gourmet.

Foto: Exame.com

Foto: Exame.com

* Por Karin Salomão, da Exame.com