A Natura e a Artemisia – organização sem fins lucrativos, pioneira na disseminação e no fomento de negócios de impacto social no Brasil – selecionam até 25 startups com soluções inovadoras que gerem impacto socioambiental na Amazônia. As inscrições estão abertas até 30 de setembro e podem ser feitas pelo site.

O Desafio Natura Amazônia: Negócios para Floresta em Pé apoiará uma nova geração de empreendedores que contribuam para a valorização da real vocação da Amazônia, por meio de novos modelos de negócios sustentáveis. O programa de pré-aceleração foi desenvolvido pela Artemisia com exclusividade para a Natura. A estratégia prevê o entendimento do cenário de empreendedorismo de impacto na Amazônia dentro do contexto de atuação da empresa na região e o fortalecimento dos negócios mais alinhados aos critérios do programa, visando o desenvolvimento socioambiental da região.

São elegíveis startups que apresentem soluções de impacto socioambiental positivo e alinhadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU) que tenham relação com o contexto da região, com no mínimo um protótipo ou produto/serviço já desenvolvido, em fase inicial de testes ou com soluções já validadas no mercado; que apresentem soluções inovadoras conectadas à “economia da floresta em pé”; e formadas por empreendedores que valorizem e busquem o desenvolvimento sustentável da região Amazônica, com experiência ou atuação relacionada à sociobiodiversidade.

O programa contará com uma formação presencial focada no desenvolvimento de competências empreendedoras, onde serão trabalhados os modelos de negócios e refinamento do impacto socioambiental das soluções selecionadas e uma imersão de alto impacto com duração de cinco dias no Pará. Entre os benefícios do programa estão o acesso a mentores da rede Artemisia e da Natura, a conexão com outros empreendedores da região e o acesso à metodologia de pré-aceleração Artemisia.

Após a formação presencial, haverá acompanhamento da evolução dos participantes do processo, sendo que até três negócios que mais se destacarem no programa receberão sessões de mentorias exclusivas (conduzidas pela equipe da Artemisia). O objetivo é que os empreendedores possam desenvolver todo o potencial para causar impacto positivo na região.

Aliança estratégica

A Amazônia vive um grande paradoxo. Por um lado, abriga 55% das florestas tropicais e 20% das águas doces fluviais do mundo, possui uma diversidade inestimável de vida e insumos, e tem papel fundamental como reguladora do clima do planeta. Por outro lado, sofre com os atuais modelos de negócios e setores predominantes na região que geram devastação. Portanto, são essenciais ações para o fortalecimento de novos modelos de desenvolvimento para a Amazônia.

A Natura e a Artemisia compartilham a visão de que é necessário fomentar e apoiar empreendedores que tenham genuína intenção e propostas sólidas para desenvolver soluções escaláveis e inovadoras para os desafios socioambientais na Amazônia. “Acreditamos que, ao fomentar e dinamizar um ecossistema para negócios de impacto na região, podemos mostrar na prática que é possível a floresta ter mais valor em pé do que derrubada e a Amazônia ser uma referência mundial em inovação, negócios e soluções para um mundo mais sustentável”, afirma Renata Puchala, gerente de Sustentabilidade da Natura.

Segundo José Mattos Neto, coordenador de Sustentabilidade da Natura, “muito além da compra de insumos da biodiversidade, a empresa quer contribuir para o desenvolvimento da região como um polo de referência em inovação e em negócios sustentáveis, capazes de gerar valor local de mãos dadas com inclusão social e preservação da floresta”.

Para Maure Pessanha, diretora-executiva da Artemisia, a aliança entre dois players que são referência em seus respectivos segmentos traz visibilidade a uma questão de suma importância para o país.“Estamos muito felizes por poder levar para uma região que é vital para o desenvolvimento do planeta o conceito de negócios de impacto social. Nós na Artemisia, acreditamos que este modelo tem o potencial de mudar a qualidade de vida das pessoas e no caso específico da Amazônia, também apresentar ao mundo soluções inovadoras que combinam impacto social e ambiental”, analisa a executiva.