O Baidu, segundo maior serviço global de busca do mundo, lançou hoje, o Easterly Ventures, fundo de investimento com capital inicial de US$60 milhões, focado em startups brasileiras.

“O Easterly Ventures não é qualquer fundo, trata-se de um perfil único no mercado brasileiro, estou no Brasil há quinze anos e nunca tinha visto um fundo dessa natureza”, comentou Yan Di, Country Manager do Baidu no Brasil.

O grande diferencial do fundo é que além do dinheiro, ele irá transferir tecnologia, tráfego mobile e expertise internacional para as startups. “É a chance de levar as startups brasileiras para um dos mercados mais emergentes do mundo, a China”, comenta Yan.

Confira abaixo o depoimento exclusivo de Yan para o Startupi falando sobre o lançamento do fundo e ainda curiosidades sobre o mercado de venture capital na China.

Sobre o nome do fundo, o Easterly, Yan explica que vem de uma palavra em inglês que significa vento do leste. “Não vamos trazer um furacão, mas vamos trazer uma brisa de inspiração”. Segundo ele, vento do leste tem um significado especial na cultura chinesa que significa fator decisivo, e aqui no Brasil, o fator decisivo para os empreendedores vai além do dinheiro, trata-se de um conjunto de tecnologias, expertise e tráfego local e a possibilidade de entrar em novos mercados, o que garantirá que a startup tenha uma receita recorrente. E o novo fundo oferece todos esses recursos para as startups.

Por que investir no mercado brasileiro?

Yan afirma que o Baidu enxerga no dia a dia o grande potencial de crescimento do ecossistema brasileiro no sentido comercial. Desde que está no País, o executivo já passou por três crises e garante que não tem porquê o Brasil não conseguir se recuperar desse momento de recessão.

“Agora é o melhor momento para investir no Brasil, os produtos aqui estão 40% mais baratos, logo irão valorizar e os investidores já se deram conta disso. Enxergamos também muita sinergia com o mercado daqui”. E eles não possuem apenas esse sentimento, mas sim uma prova concreta: os  investimentos no Peixe Urbano. A empresa brasileira foi adquirida em 2014 e com todos os recursos, registrou uma expansão de 100% em suas vendas um ano após o aporte.

Os primeiros investimentos do fundo, segundo Yan, podem ser anunciados ainda este ano e a expectativa é aplicar recursos em 10 a 15 startups em troca de participações minoritárias que serão estudadas case by case. O fundo também pode dobrar seu capital disponível para investimentos no curto prazo, caso a empresa identifique oportunidades no País que justifiquem o aumento do aporte.

Segmento das startups

O Easterly Ventures está em busca de startups que já tenham superado seu estágio inicial e possuam sinergia com os ativos do Baidu, podendo se beneficiar da posição da companhia no mundo, que figura entre as 10 maiores empresas globais de internet. Além de ser o segundo buscador mais usado no mundo, o Baidu também tem se destacado em outras frentes, como Big Data, Inteligência Artificial, Geolocalização e carros autônomos.

Segundo Yan, existem duas áreas de grande potencial de crescimento no Brasil: serviços locais e conteúdos locais. “Os brasileiros não conseguem competir com grandes players de Internet em canais de tráfego, como o Facebook que domina o mercado de mídia social e serviços de busca, como o Google, que detém mais de 90% do market share. Por outro lado, as startups possuem competitividade máxima quando se fala em serviço e conteúdo local. Os brasileiros sabem o que as pessoas por aqui querem consumir e o que gostam em relação a notícias, entretenimento, sendo assim, você consegue produzir um serviço de altíssima qualidade”, destaca.

Essa não é a primeira iniciativa da multinacional de tecnologia no Brasil, esse mês a companhia anunciou uma parceria com a LAAS (Latin American Angels Society), para a criação de um programa de suporte e mentoria para empresas iniciantes brasileiras que atuam no segmento de tecnologia digital.

O Baidu também conta com seis centros de pesquisa e desenvolvimento: em Shenzhen, Pequim, Xangai, Tóquio, Vale do Silício e Cingapura. Ao chegar ao Brasil, em 2014, Robin Li, Fundador do Baidu, fez um acordo com o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Clélio Campolina, que previa a construção de um centro de pesquisa e desenvolvimento em território brasileiro em três anos. Hoje, durante o lançamento, Yan afirma que o plano ainda está no papel e que talvez, o modelo de negócio tenha que ser repensado para atender as novas frentes da companhia e o cenário atual do ecossistema.

Startups interessadas no Easterly Ventures podem contatar o fundo pelo e-mail contato@easterlyventures.com.br.