O Telefónica Open Future, programa global que agrega as iniciativas do Grupo Telefónica (controlador da Vivo), relacionadas ao empreendedorismo e à inovação aberta, anunciou recentemente o lançamento do segundo espaço de crowdworking no Brasil. Implantado em parceria com a UEL – Universidade Estadual de Londrina e o Sebrae Paraná, o espaço abrigará startups de base tecnológica com vistas ao desenvolvimento de negócios nas áreas de Internet of Things (IoT), aplicativos B2B, soluções de digitalização “end to end” (E2E), Redes, Segurança, Big Data, Agrobusiness, entre outros segmentos estratégicos.

A ideia é ajudar a impulsionar o talento local e incentivar jovens com vocação empreendedora a colocar em prática suas iniciativas, fornecendo infraestrutura de espaço, suporte técnico e mentoria para que, caso o projeto avance, possa continuar a ser apoiado pela Wayra, a aceleradora de startups da Telefónica, onde poderá receber financiamento.

“Vamos utilizar uma metodologia de desenvolvimento de negócios moderna e já testada, além de ajudar a ampliar os contatos dos empreendedores com um ecossistema mundial de inovação”, afirma Renato Valente, Country Manager do Open Future e diretor da Wayra Brasil.

O espaço funcionará na sede da Aintec – Agência de Inovação Tecnológica, por meio da Intuel – Incubadora Internacional de Empresas de Base Tecnológica da UEL, no próprio campus da universidade. “A Intuel tem trabalhado nos últimos 15 anos na promoção do empreendedorismo inovador em Londrina e região. Essa parceria vai contribuir para o desenvolvimento de novas empresas, trazendo para o nosso ecossistema de inovação, uma proposta de capilaridade internacional de promoção de startups. Queremos com isso, gerar mais negócios, promover a interação em inovação aberta e possibilitar a projeção de empresas em grande escala”, explica Edson Miura, diretor da Aintec.

A implementação desse novo crowdworking contará também com a parceria do Sebrae-PR para apoiar as startups em seu período de maturação. Para Fabrício Bianchi, consultor do Sebrae/PR, a parceria com a Telefônica e com a Aintec/Intuel no projeto de crowdworking, irá fortalecer o ecossistema de startups na região. “O formato adotado pela Telefônica para fazer a pré-aceleração é fantástico e vai favorecer o desenvolvimento de projetos inovadores. Além disso, a proposta do crowdworking vai aproximar as startups de Londrina e região de um player mundial importante, que é a Telefônica. Para o ecossistema de negócios da cidade é muito importante estar no radar da Telefônica e usufruir dos mecanismos de aceleração que o grupo oferece”, diz.

No norte do Paraná, o Sebrae/PR possui uma linha de atendimento voltada exclusivamente para as startups, que são empresas ancoradas em um modelo de negócios repetível e escalável. O projeto contempla, até agora, a participação de 182 empresas.

“Estamos muito contentes de acrescentar Londrina a nosso programa global de inovação aberta, o TelefónicaOpen Future. Estamos seguros de que Londrina, por meio da UEL, facilitará que as startups locais se aproximem mais diretamente da Vivo e do Open Future e se crie uma relação profissional que beneficie todas as partes. Ademais, o apoio do Sebrae é chave para concretizar esse acordo. Com esta aliança, continuamos a implantação do Telefónica Open Future no Brasil, ampliando nossa rede de apoio ao talento e incorporando-o aos melhores ecossistemas inovadores do país”, diz Ana Segurado, diretora global do Open Future.

Termina no dia 10 de agosto o prazo para que empresas digitais em fase inicial se inscrevam no programa de pré-aceleração do Crowd Londrina.

Os projetos selecionados contarão com espaço de trabalho compartilhado na UEL, suporte técnico e mentorias. Durante todo o processo, os empreendedores serão acompanhados pela Academia Wayra, aceleradora que também integra as iniciativas do Open Future, e que poderá selecionar projetos que estejam em fase mais madura para receberem apoio direto e fazer negócio com a Vivo.

A seleção das propostas será realizada em duas etapas, uma on-line e outra presencial, e levará em conta questões como viabilidade econômica do empreendimento, capacidade empresarial dos proponentes, grau de inovação e potencial financeiro e mercadológico.

Para mais informações, acesse aqui. As inscrições podem ser feitas no site.