Em um esforço para passar à frente de outras empresas de tecnologia e montadoras que investem em veículos autônomos, a Uber anunciou que começará a colocar seus carros sem motorista nas ruas de Pittsburgh ainda neste mês. A empresa permitirá que os clientes da cidade americana chamem carros autônomos pelo app, atravessando um marco importante, onde nenhuma empresa automotiva ou de tecnologia tinha chegado antes.

O Google, amplamente considerado como o líder no campo, tem testado a sua frota há vários anos, e a Tesla Motors já oferece piloto automático que conduz seus carros pelas estrada. No início desta semana, a Ford anunciou planos para um serviço de compartilhamento de viagens autônomo, mas nenhuma dessas empresas trouxe até então um serviço de compartilhamento de carro autônomo para o mercado.

Segundo informações da Bloomberg, a frota de Pittsburgh da Uber, que será supervisionada por seres humanos no banco do motorista por enquanto, consiste em veículos Volvo XC90, especialmente modificados e equipados com dezenas de sensores que utilizam câmeras, lasers, radar e receptores GPS.

A Volvo, até agora, entregou alguns veículos de um total de 100 previsto para o final do ano. As duas empresas assinaram um acordo no início deste ano para gastar US$ 300 milhões para desenvolver um carro totalmente autônomo que estará pronto para a estrada até 2021.

O acordo com a Volvo não é exclusivo; nos planos da Uber estão mais parcerias com outras montadoras para recrutar mais engenheiros. Em julho, a empresa chegou a um acordo para comprar a Otto, uma startup de caminhões sem motorista que foi fundada no início deste ano e inclui engenheiros de uma série de empresas de tecnologia de alto perfil que tentam trazer carros sem condutor para o mercado, incluindo o Google, Apple e Tesla.

A Uber se recusou a revelar os termos do acordo, mas uma pessoa familiarizada com o negócio disse que se as metas forem cumpridas, seria no valor de 1% da avaliação mais recente de Uber. Isso implicaria um preço de cerca de US$ 680 milhões. Atuais empregados da Otto também receberão coletivamente 20% de quaisquer lucros que a Uber ganhará da construção de caminhões autônomos.