* Por Pedro Clivati

O excêntrico milionário CEO da Virgin, Richard Branson, disse uma vez que “todas as atividades em seu negócio podem ser terceirizadas, desde que você não esteja emocionalmente apegado a elas”.

De fato, a tecnologia e a quebra das barreiras físicas/geográficas, permitiu que empresas terceirizem não apenas serviços de limpeza, mas de áreas e funções essenciais para a existência do negócio, tal como desenvolvimento, vendas, marketing e até cobrança de dívidas (que, não por acaso, se tornou um mercado bilionário nos EUA). Ao contrário da crença comum, esse não é um privilégio exclusivo de pequenas empresas com falta de expertise ou mão de obra. Médias e grandes empresas também estão dando preferência e foco no core business dos seus negócios e alocando a responsabilidade de outras áreas para terceiros, especialistas em suas áreas de atuação.

outsourcing

Se pensarmos apenas na quantidade de tecnologias, de estratégias, de canais e de esforços que um departamento de marketing precisa fazer para executar suas responsabilidades com excelência, fica nítido o motivo pelo qual muitas empresas têm optado pela terceirização das seguintes áreas:

  • Marketing de Conteúdo
  • Inbound Marketing
  • Ads
  • Retargeting
  • Afiliados
  • Marketing Offline
  • Comunicação Visual
  • Mídias Sociais
  • Etc.

Não é à toa que o novo Diretor de Marketing (CMO) tem um perfil mais gerencial, organizado e orientado à métrica do que o antigo, que era criativo, bagunçado e descolado! Afinal, ele será o responsável por se certificar de que todas as iniciativas acima estão sendo feitas com excelência, identificar oportunidades de melhoria, garantir a sinergia entre todas as frentes e, principalmente, entregar resultados. (Não sejamos extremistas, é claro que as boas ideias, os perfis criativos e bagunçados ainda possuem seu lugar no mundo e nós precisamos muito deles.)

É humanamente impossível um profissional ser um mestre na execução de todas essas atividades. Conhecer, entender e saber a diferença entre uma boa e má performance não só é possível como essencial. Isto para qualquer atividade que você coordene (seja interna ou terceirizada). Dito isso, é natural que a terceirização de algumas frentes tenha se tornado mais popular e, por que não, necessária.

Sabendo disso, como decidir entre terceirizar ou internalizar uma atividade de marketing?

1. Habilidades

A profissional Freelancer cresce exponencialmente no Brasil e fora dele. O antigo preconceito de que estes profissionais estavam apenas querendo complementar suas rendas, não levavam as atividades a sério e a qualidade de entrega não era boa está indo por água abaixo. Hoje é possível encontrar excelentes profissionais que trabalham remotamente com ótima capacitação e qualidade, mas que optaram por manter distância do CLT.

Existem alguns hubs para encontrar o serviço de tais profissionais, variando de acordo com a atividade que ele irá exercer. A sugestão aqui é buscar por hubs já segmentados, isto aumenta a garantia de que os profissionais realmente sejam experts naquela área de conhecimento, além da chance de o mesmo ter que passar por um filtro e a qualificação ser maior.

Lembre-se de avaliar o portfólio e o currículo dos freelancers ou da própria agência e, se possível, converse com antigos clientes atendidos por eles.

Exemplo: o @Freelancer.com é um site generalista de freelancers que não tem nenhuma exigência ou conferência. Já o @Contentools.com.br é segmentado para o mercado de conteúdo, exigindo dos profissionais algumas qualificações, cursos e certificados básicos, além de um treinamento específico para marketing de conteúdo.

Obs: o exemplo foi dado para freelancers, mas a máxima se aplica para qualquer terceirização: seja com um profissional, um time, uma agência etc.

2. Disponibilidade

Uma das desvantagens da terceirização é que você não pode exigir dedicação exclusiva ao seu negócio. Uma agência provavelmente terá outros clientes para atender, bem como os freelancers. O que você pode, e deve, é entender bem o escopo de atuação da atividade que você está contratando, qual o esforço existente no desenvolvimento da atividade e o que você pode esperar de ambos os lados em termos de disponibilidade!

Uma das vantagens de se utilizar uma agência é que eles já possuem um time (interno ou não) disponível para o trabalho, então a chance de atingirem todos os prazos é maior.

A dica aqui fica por conta do alinhamento inicial: ao contratar um novo membro, você provavelmente compartilha com ele o caminho que ele deve percorrer para crescer na empresa (ou seja, estabelece um plano de carreira) e isso não deve ser diferente para os freelancers/agências. Compartilhe com eles o seu plano de crescimento como empresa e como isso impacta nas tarefas que eles devem realizar. Uma ótima forma de conseguir um comprometimento sério com o novo contratado é mostrar como o cenário irá se alterar caso o serviço seja de qualidade.

Por exemplo: iremos começar com 4 blog post/mês durante os 3 primeiros meses e, caso isto traga os resultados esperados, iremos aumentar o número de conteúdo para 8 blog post/mês e testar por mais 3 meses. No 6º mês de contrato, caso o cenário seja positivo, queremos contratar um content manager para gerenciar um time de redatores para publicar mais e melhores conteúdos.

3. Seleção

O processo de seleção define quem será o seu provedor e aqui talvez more o principal influenciador no resultado final do projeto.

  • A primeira dica é começar a pesquisa por meio de empresas nichadas: se você está buscando freelancers para marketing de conteúdo, por exemplo, você pode solicitar uma ajuda da @Contentools, que trabalha apenas com este perfil de profissionais.

Caso você opte por empresas de nicho, parte do processo de qualificação provavelmente já foi realizada (voltando ao exemplo da @Contentools, todos os profissionais passam por cursos de certificação e qualificação, além de análise prévia de CV e outras entrevistas). Caso uma seleção prévia não tenha ocorrido, o processo deve ser feito internamente. Para tanto, você pode solicitar que eles façam cursos online (exemplo: curso de inbound marketing da HubSpot), leiam conteúdos relacionados ao tema e façam uma prova de qualificação do que aprenderam.

ferramentas marketing

Caso você opte por trabalhar via agências de marketing, esta etapa será bem mais simples. Alguns pontos para se prestar atenção:

  1. Quem são os fornecedores da agência? Quais os softwares eles irão utilizar para entrega de resultados?
  2. Quais os clientes já são atendidos pela agência? Algum deles tem o perfil da sua empresa? Eles são focados em B2B e B2C?
  3. Quais são os serviços fornecidos? Dê preferência por agências que integram mais de um tipo de serviço; do contrário, logo você se verá coordenando múltiplos fornecedores.

4. Custo

O custo de contratação de uma agência será, provavelmente, superior à contratação de um freelancer. Porém, o que você deve olhar e calcular são os custos paralelos ao da contratação por si só. No caso de um freelancer, você ainda será responsável pelo gerenciamento e alcance dos resultados, portanto, devem entrar no seu planejamento a contratação de softwares para gerenciamento e as horas gastas na execução e coleta de resultados.

Já no caso de uma agência, o seu custo estará centrado no controle dos resultados. E dependendo de qual projeto será terceirizado, o ideal é definir se é um projeto constante ou momentâneo. Caso seja constante, algo que sua empresa terá que fazer pelo resto da sua existência, o conhecimento da estratégia deveria ser internalizado. A agência irá compartilhar os meios ou apenas os fins? O custo do não aprendizado pode ser um dos maiores no longo prazo.

Terceirização: onde o trabalho pode ser melhor feito de fora do que de dentro. – Alphonso Jackson

Não existe um só modelo que atenda às necessidades de todas as empresas, de todos os setores e de diferentes níveis de maturidade. Porém, é sim possível terceirizar parte do seu marketing e ainda ganhar qualidade na execução. Conforme mencionado no início deste post, você dificilmente conseguirá cobrir todas as frentes que o marketing moderno abrange sem algum auxílio externo. Agora, fica a seu critério entender qual o tipo de fornecedor melhor se adapta à sua realidade bem como quais os processos serão terceirizados e internalizados.

Algo a acrescentar? Deixe nos comentários! ;)


Pedro Clivati Pedro Clivati é cofundador e responsável pela expansão global da Contentools. Como evangelista de Marketing de Conteúdo, Pedro participou de conferências em toda America Latina, prestando consultoria a medias e grandes empresas sobre Marketing de Conteúdo, Inside Sales e Inbound Marketing.