Na última década, a revolução digital movida pela comunicação e conectividade com smartphones e Internet mostrou-se algo incrível. Conectando pessoas, encurtando espaços, aproximando clientes, organizações, governos e propagando o conhecimento, essa revolução criou novas oportunidades nunca vistas anteriormente.

Uma grande revolução ainda maior ganha cada dia mais força, a chamada Internet das Coisas. Essa permite a conectividade não só entre as pessoas, mas também entre todas as coisas do mundo físico e virtual.

Assim como a popularização dos telefones celulares mudou a forma com que nos comunicamos com as outras pessoas, uma série de novos dispositivos e produtos permitirão que conectemos qualquer coisa à Internet, transformando  ainda mais a maneira com que nos relacionamos com o mundo.

Atualmente, o cenário atual de desenvolvimento tecnológico nacional e, consequentemente, de adoção de produtos e serviços para Internet das Coisas (IoT) é dependente de tecnologia fechada, de configurações inflexíveis em grande maioria importada. Essas características aumentam o custo de desenvolvimento, a curva de aprendizado e o time-to-market para criação de produtos dependentes dessas tecnologias.

Pensando nesse problema, os alunos do mestrado e graduação do INATEL – Instituto Nacional de Telecomunicações enxergaram uma oportunidade de negócio e criaram o Projeto Momote, uma iniciativa nacional para o desenvolvimento e fabricação de hardwares abertos, módulos e kits de desenvolvimento com conectividade sem fio para Internet das Coisas (IoT).

O projeto surgiu de uma necessidade em comum do meio acadêmico e da indústria. A iniciativa foi incentivada pelo foco das pesquisas no ICTLab – Laboratório de Tecnologias da Informação e Comunicação, e também pela crescente demanda das indústrias por desenvolvimento de dispositivos conectados no “Vale da Eletrônica”.

A adoção de tecnologia brasileira de custo acessível, como kits de desenvolvimento e hardwares diversos para aplicações em IoT, e especialmente com sistemas de código aberto e fácil configuração, fomentam a inovação tecnológica em instituições de ensino, grandes indústrias e pequenas e médias empresas. Além de facilitar o aprendizado e o domínio da tecnologia por qualquer pessoa interessada, viabiliza e alavanca diversos cenários e ideias de negócios com aplicações para a conectividade onipresente.

O momote001, o primeiro da família Momote, é um kit de desenvolvimento que está disponibilizado publicamente como um design de hardware de referência que algumas indústrias já estão utilizando para minimizar o custo e o tempo de desenvolvimento de novos produtos eletrônicos conectados.

A Startup Das Coisas, uma das participantes do programa Crowdworking do Vale da Eletrônica, programa de incentivo ao empreendedorismo e inovação, realizado em parceria entre a Telefônica Vivo, por meio do Telefónica Open Future, Ericsson e Inatel, está utilizando o momote001 e promete criar uma plataforma de baixo custo, simples e intuitiva que permite qualquer pessoa aprender sobre o desenvolvimento de “coisas” conectadas, viabilizando o surgimento de inúmeras aplicações em mobilidade urbana, acessibilidade, automação residencial e industrial, agricultura, educação, saúde, dentre outras.

O Projeto Momote visa reunir interessados em criar um ambiente para acelerar o desenvolvimento tecnológico, aproximar a indústria, instituições de ensino e sociedade, criando um ecossistema sustentável que incentiva de forma simples e colaborativa a inovação com a criação de aplicações e protótipos de produtos para o mercado.

“Tecnologias abertas para conectividade são a chave para impulsionar a inovação em produtos e serviços. Permitir que empresas e pessoas possam se beneficiar e contribuir com o conhecimento publico é uma via de várias mãos onde todos os envolvidos ganham”, destaca Victor Fernandes, um dos criadores do projeto.