A chinesa Xiaomi anunciou a compra de cerca de 1500 patentes da Microsoft, num acordo que reflete os esforços da Xiaomi para adquirir a propriedade intelectual de que necessita para um dia vender seus dispositivos para além dos mercados em desenvolvimento. Um de seus objetivos finais é vender seus telefones nos EUA. As informações são do Wall Street Journal.

Para a Microsoft, o movimento é o mais recente empurrão para coletar royalties de fabricantes de eletrônicos que usam o sistema operacional Android, do Google. O valor da compra das patentes não foi revelado.

Sediada em Pequim, a companhia saltou para o topo do mercado de smartphones da China em 2014, com uma estratégia online de venda que ajudou a manter os custos baixos, mas está gradualmente gastando mais em licenciamento de patentes e publicidade à medida que amadurece.

A empresa suspendeu temporariamente o lançamento de novos produtos no Brasil devido à incerteza na política do governo. Hugo Barra, vice-presidente internacional da Xiaomi, disse em uma entrevista na terça-feira que ela também levará suas equipes de marketing internacional de volta a Pequim.

“Tanto a Xiaomi quanto a Microsoft respeitam os direitos de propriedade intelectual”, disse Wang Xiang, vice-presidente sênior da Xiaomi de cooperação estratégica. “Acreditamos que com este tipo de colaboração e também o nosso compromisso para o investimento a longo prazo em propriedade intelectual, vamos construir um portfólio de patentes muito forte”, diz.

A Microsoft detém mais de 60 mil patentes, de modo que as patentes vendidas para a Xiaomi representam apenas uma pequena parte, disse Jennifer Crider, porta-voz do departamento jurídico da Microsoft. “Fazemos isso periodicamente”, disse ela.