Em setembro de 2015, inspirado por um grupo de amigos que produzem e vendem produtos orgânicos através do Whatsapp, o brasileiro Felipe Neuwald teve a ideia de conectar produtores e consumidores por meio de um aplicativo, removendo os intermediários e entregando assim, o produto mais fresco possível.

Com isso em mente, Felipe apresentou a ideia para seu amigo e agora sócio, Davi Neves. Juntos começaram a desenvolver a ideia e criaram a startup PepMesh. Hoje, após análises de mercado, e desenvolvimento de processos de Design Thinking, pretendem faturar 4,7 milhões de dólares no primeiro ano de atividade.

“No momento que tive o insight, pensei na aplicação desta plataforma onde o próprio produtor definia o que ele iria vender e em qual região ele entregaria, mas este modelo se provou inviável quando analisamos que o produtor quer apenas produzir, e não se preocupar com logística e todos os problemas de entregar produtos frescos, em centenas de pontos na cidade. Após isso, definimos que faríamos o processo de marketing, venda e toda a logística, incluindo a coleta de produtos diariamente na fazenda”, diz o empreendedor.

A startup nasceu e irá acontecer nos EUA, onde o mercado de orgânicos ultrapassou em 2013 o valor de 27 bilhões de dólares, o que corresponde a quase 40% do mercado mundial, que no mesmo período atingiu 72 bilhões de dólares. “Nós estudamos profundamente o mercado orgânico mundial e vimos que há uma série de fatores muito relevantes que apontam para a California, além de considerarmos todo o cenário cultural, de inovação e investimentos do Silicon Valley”, explica Felipe ao Startupi.

pepmesh

Os sócios Davi Neves e Felipe Neuwald. Foto: Divulgação

Em janeiro de 2016, a PepMesh provou seu modelo de negócio e recebeu seu primeiro investimento-anjo de US$ 70 mil, e desde então, a startup tem se transformado constantemente, passando por um processo de design de serviços e o desenvolvimento do MVP, que tem previsão de lançamento para junho de 2016.

Os produtos disponíveis no marketplace nem sequer foram colhidos no momento em que o consumidor faz sua escolha. A colheita é feita durante a madrugada, levada ao hub local da PepMesh e entregue durante a noite. Dessa maneira, o produto comprado é tão fresco que o consumidor o receberá no mesmo dia em que foi colhido.

A startup está com sede em Delaware e escritório em São Francisco, Califórnia, e pretende atingir ainda no segundo semestre, mais de 120 mil pedidos na região da Baía de São Francisco, que receberá o primeiro hub da PepMesh. Além da facilidade de uso e compra, tanto para o agricultor quanto para o usuário, a plataforma pretende gerar um aumento significativo de vendas para os produtores locais e melhorar a saúde e alimentação da população regional.

A empresa opera, neste momento, com varejo nacional norte-americano. “Nós operamos negócios com foco em venda de produtos naturais, e o sistema logístico não rodaria aqui no Brasil na maneira como estamos concebendo nos Estados Unidos. A infraestrutura brasileira não permite produtores terem acesso em tempo real ao seu estoque, pedidos e tampouco, operar just-in-time como estamos propondo. Sem dúvida daremos um passo em direção ao Brasil, mas muita coisa do nosso conceito será reformulada”, completa o empreendedor.