Você já pensou em deixar a carteira em casa e fazer um pagamento apenas com a sua pulseira? O primeiro wearable para pagamentos do país, foi criado pela startup Atar, de Timbó (SC).

A tecnologia inovadora permite que os brasileiros possam “vestir” o seu cartão e realizar pagamentos de forma simples e confiável. O primeiro produto lançado pela empresa é a pulseira Atar Band, à prova d’água e sem uso de bateria. Para fazer um pagamento, basta aproximá-la da máquina de cartão e digitar a senha, sem precisar da carteira.

A pulseira funciona por meio da tecnologia de transmissão de dados sem fio por aproximação (NFC). O acessório vestível é integrado a um aplicativo mobile, que permite ao usuário receber notificações a cada compra e acompanhar o histórico de pagamentos. “Queremos ajudar as pessoas a se livrarem de carteira, cartões, moedas e melhorar a experiência de compras e pagamentos presenciais, trazendo mais rapidez, simplicidade e segurança”, comenta Orlando Purim Junior, CEO da startup.

Sócios: Mike Allan (à esquerda), Orlando Purim Jr. (centro) e Luiz Heidrich (à direita)

Sócios: Mike Allan (à esquerda), Orlando Purim Jr. (centro) e Luiz Heidrich (à direita)

A pulseira tem como principal concorrente o Apple Watch, da gigante americana. Ainda segundo Purim, a Atar Band apresenta algumas melhorias ao produto da Apple. “A pulseira é à prova d’água e não precisa de bateria. A bateria, inclusive, é um grande empecilho da massificação dos wearables mundo afora e por isso, desde o início sabíamos que precisávamos fazer um produto que não precisasse de fios ou recarga para funcionar”, completa.

A tecnologia da Atar foi apresentada ao público pela primeira vez durante o Congresso e Exposição de Tecnologia da Informação das Instituições Financeiras (CIAB) de 2015, consolidando-se como o primeiro wearable de pagamentos desenvolvido no país. No ano passado, a startup também participou do Techcrunch Disrupt São Francisco (EUA), o maior evento de empreendedorismo digital do mundo e do programa de inovação criado pelo Bradesco, o InovaBRA. A solução foi exposta no evento e gerou interesse da comunidade internacional. A startup já recebeu R$ 1 milhão em aportes e ganhou oito prêmios como reconhecimento pela inovação e alto potencial de crescimento.

Como funciona:

A primeira coisa a fazer para usar a ATAR band é inserir carga na pulseira. Para por carga, o usuário acessa o aplicativo da ATAR e gera um boleto com o valor que quer colocar na pulseira, depois é só pagar o boleto no internet banking de seu banco. Graças a algumas melhorias feitas pela ATAR, esse processo todo de gerar boleto e pagamento no internet banking, leva menos de dois minutos. A empresa ainda pretende integrar novas formas de creditar a pulseira no futuro, como transferência bancária e cartões de débito e crédito.

Depois que o usuário tiver carga na pulseira, já é possível usar a pulseira para fazer pagamentos nos estabelecimentos. Pagar com wearable é muito fácil: o estabelecimento precisa contar com uma máquina de cartão que aceite a tecnologia contactless (NFC). Após inserir o valor da compra na máquina de cartão, o usuário aproxima o acessório da máquina, coloca a sua senha pessoal e o pagamento está feito. O pagamento leva segundos para ser feito. Assista ao vídeo sobre o funcionamento do wearable:

Por meio do aplicativo o usuário também receberá uma notificação quando realizar um pagamento e poderá acompanhar o histórico de tudo que foi gasto, sem precisar empilhar recibos. Além disso, o app tem a função “segurança”, que permite bloquear a pulseira de forma simples, segura e rápida.

ATAR aplicativo

Foto: Divulgação

O produto será comercializado online a partir do dia 18 de maio, no site. O valor é de R$ 299,00, com descontos no lançamento.