* Por Dagoberto Hajjar

Trabalho no mercado de TI há mais de 35 anos e nunca antes na história deste País eu vi uma mudança tão rápida e tão significativa no humor dos empresários de TI.

Eu faço uma pesquisa de mercado trimestralmente para entender a percepção dos empresários brasileiros de TI com relação ao momento de mercado. Nos últimos 18 meses era uma choradeira só. Embora 35% das empresas de TI tiveram um crescimento acima de 15%, o humor e a percepção dos empresários era de desânimo e desilusão.

Bastou o impeachment passar na Câmara e o humor e percepção dos empresários de TI mudou da água para o vinho. Fez-se a luz e tudo passou a ser maravilho! Já na segunda-feira, pós decisão da Câmara, achavam que os resultados de 2016 seriam fortemente impactados e que suas empresas cresceriam 21.3% neste ano, contra uma expectativa de crescimento de 12% sem o impeachment.

O novo humor está fazendo com que 51% dos empresários revejam, rapidamente, seus planos para 2016, com novas estratégias e ações para tirar o máximo proveito das vendas para este ano. Um pouco mais da metade dos empresários já está pensando em aumentar o quadro de colaboradores e os investimentos em marketing e vendas. 28% dos empresários pretendem abrir um canal de vendas e distribuição de seus produtos, aliando-se a 44% dos empresários que já usam esta estratégia.

A expectativa de investimento em marketing para 2016 aumentou substancialmente, tendo agora uma média de 4% do faturamento para investimento em marketing tradicional e 6.3% para marketing digital.

Empresas com produtos e serviços em Nuvem, Integradores e empresas de desenvolvimento de software estão buscando comprar parcialmente ou integralmente outras empresas, como forma de crescimento mais acelerado para tirar o máximo proveito ainda neste ano.

Este otimismo é extremamente positivo. Ele está fazendo com que os empresários repensem seus negócios e busquem caminhos criativos para um crescimento acelerado. Este otimismo fará com que eles sejam mais exigentes com suas equipes de marketing e vendas.

Isto não significa que a crise acabou. Longe disto. Na verdade, esta crise deverá se estender por mais uns 4 ou 5 anos. Isto também não significa que 100% das empresas de TI terão bons resultados.

A mudança de humor dos empresários mostra que já é possível ver uma luz no final do túnel. Esta luz está mais perto para algumas empresas e mais longe para outras. O importante é entender que o mercado mudou e se você quiser ter bons resultados terá que trabalhar de maneira diferente. A pesquisa mostra que mais da metade dos empresários entenderam e estão mudando suas empresas, seus negócios e a forma como negociam com seus clientes. Cerca de 25% sabem que precisam mudar, mas não sabem o que fazer. E cerca de 15% continuam chorando da vida e esperando que um milagre aconteça.

Resolvemos ligar para algumas empresas consumidoras de tecnologia para checar o estado de humor delas e a propensão para compra de tecnologia. Descobrimos que existe uma mudança positiva de percepção e humor. Um pouco mais conservadora do que se viu nos empresários de TI. Existe a percepção que tecnologia, será um papel fundamental para que as empresas minimizem o impacto da crise e passem a vender mais e melhor, entendendo seus consumidores, analisando o mercado, ajustando seus produtos e usando a mobilidade para se conectar com seus clientes. Estas empresas deixaram claro que seus fornecedores de tecnologia terão que passar por mudanças, aprendendo mais sobre os negócios e ensinando como a tecnologia pode ajuda-los a vender mais e e melhor.

Enfim, teremos anos desafiadores à nossa frente, mas agora com luz no final do túnel. Cabe a você escolher se sua luz está mais longe ou mais perto!


Foto_Dagoberto_150x150Dagoberto Hajjar trabalhou 10 anos no Citibank em diversas funções de tecnologia e de negócios, 2 anos no Banco ABN-AMRO, e 9 anos na Microsoft exercendo, entre outros, as atividades de Diretor de Internet, Diretor de Marketing e Diretor de Estratégia. Atualmente é sócio fundador da ADVANCE – empresa de planejamento e ações para empresas que querem crescer.