* Por Marcela Quiroga

“Quero ser referência no meu segmento! ”

Tenho ouvido muito esta frase no meio dos empreendedores e isso é um bom sinal, evidenciando que há uma preocupação em desenvolver projetos e startups com o empenho total, com alta qualidade do produto ou serviço que vai entregar para o mercado e com a busca por eficácia dos processos envolvidos. Mas isso não significa que seu desejo irá se tornar realidade e que você será uma referência.

A referência acontece pelo reconhecimento dos clientes. São eles que indicam você e sua empresa e dão o aval se tiverem suas expectativas superadas. Sim, superadas porque somente a superação do que foi prometido, dá chancela de “referência”. O empenho em fazer o melhor não está intimamente ligado ao desempenho do produto ou serviço e, principalmente, esse empenho em fazer, pode não ter “embalado a entrega” de uma forma que supere as expectativas dos clientes.

Dando um exemplo:

Se hospedar em um hotel e encontrar a cama bem esticada, lençóis limpos, toalhas bem felpudas e bombons no travesseiro, não dão a referência de uma estadia especial e que faça você lembrar daquela viagem com um sorriso e que no meio da lembrança, já vá dando a sugestão do nome do hotel para um amigo que irá para o mesmo lugar. É preciso algo a mais no atendimento do camareiro, no café da manhã, na recepção ao chegar para se hospedar, e isso faz com que você indique a experiência para um amigo, puxe da memória o nome do hotel e fale sobre aquela viagem com entusiasmo.

Então faça um exercício importante para seu empreendimento. Liste aspectos que são impactantes para seu segmento sem se preocupar muito em como fazer. Nesse momento, esse “como” poderá atrapalhar o desenvolvimento da proposta principal para ser uma referência.

  • Liste como são as empresas que são referência para você e por que elas têm seu reconhecimento;
  • Busque na sua memória momentos marcantes e reflita nas prestações de serviços que você teve e quais se destacaram;
  • Pense fora do seu segmento, quais são as pessoas, marcas e valores que mais se aproximam de um modelo a ser seguido;
  • Olhe como está a concorrência direta também e analise o que pode ser aprendido e melhorado.

Aí sim, trabalhe o “como”, envolva e treine a equipe a sua volta para aplicar esse método. Seja incansável na melhoria, porque a referência de hoje, se for acomodada, será engolida pelos empreendedores com a sede de também serem referência amanhã.


Marcela_2 Marcela Quiroga, profissional com mais de 30 anos de experiência na área de vendas. Atualmente é Diretora da Rede Mulher Empreendedora e empreende através da Consultoria Nós na Venda Direta, focada no desenvolvimento de estratégica comercial para empreendedores. Tem sua marca pessoal baseada em relacionamentos e desenvolvimento de pessoas e negócios.