O Startupi participou hoje do 41º Café com Empreendedoras – edição especial Mulheres e Tecnologia – que aconteceu na sede do Google em São Paulo. Durante o evento ocorreu a segunda edição do Prêmio Mulheres Tech em Sampa, iniciativa criada para incentivar a atuação de mulheres na área de tecnologia, com o apoio da Rede Mulher Empreendedora (RME), Google For Entrepreneurs, Tech Sampa e política da Prefeitura de São Paulo de fomento a novas empresas de tecnologia.

“Estou muito feliz de termos iniciativas como essa, pois é juntando as forças, do governo, de grandes empresas e Instuições que vamos conseguir ajudar as mulheres empreendedoras”, conta Ana Fontes, Fundadora da Rede Mulheres Empreendedora.

Ao todo foram 10 projetos finalistas e os 5 vencedores receberam 10 mil reais cada, num total de 50 mil reais, além de um ano de mentoria com a Rede Mulher Empreendedora. Vencedoras da primeira edição do Prêmio também marcaram presença no evento e a mensagem que elas deixaram foi que além do prêmio em dinheiro, o mais importante é a possibilidade de expandir seu negócio, visibilidade e a possibilidade de atrair muitos parceiros.

Os projetos são coordenados por mulheres e têm como objetivo geral estimular o empreendedorismo feminino com foco em tecnologia. A ideia é que as iniciativas ajudem a ampliar a participação de mulheres no ecossistema de startups da cidade durante o ano de 2016.

“É muito importante que haja cada vez mais iniciativas que estimule a entrada das mulheres na tecnologia, precisamos mudar a ideia de que os homens são melhores na área de exatas e as mulheres na de humanas”, afirma Denise Motta Dau, Secretária municipal de Políticas para as Mulheres.

Foto: Marystela Barbosa

Foto: Marystela Barbosa

Veja a lista das vencedoras:

Curso PrograMaria: EuProgrAMO – Introdução à lógica de programação e desenvolvimento web – proposto por Iana Chan, o projeto consiste em um curso presencial de programação para mulheres, com carga horária de 32 horas, além da criação de uma rede de mulheres na tecnologia e banco de talentos.
Academia Lovelace – proposto por Letícia Santos e Jean Lima, o projeto consiste em um curso online de programação, com módulos presenciais. Ao final do curso, como experiência prática, as alunas construirão projetos de tecnologia para entidades sem fins lucrativos.
PyLadies São Paulo – proposto por Alini, Ceci, Erika e Pat, o PyLadies São Paulo pretende realizar ao menos nove cursos ao longo de 2016 para o ensino de programação para mulheres da cidade de São Paulo, utilizando a linguagem Python, incluindo um curso especialmente voltado para meninas de até 13 anos.
Women Up Games – proposto por Ariane Parra e Juliana Batista, o projeto incluirá Game Days (campeonatos) temáticos para mulheres e palestras com o tema “mulheres nos games”.
Marialab Hackerspace – proposto por Vanessa Tonini e Carine Ross, o projeto visa oferecer oficinas de capacitação em tecnologia para mulheres a partir de 14 anos, além de criar uma rede de apoio das participantes para troca de informações e ajuda.
O projeto As aventuras de Meg Margadinória no Reino das Formigas recebeu uma menção honrosa. Proposto por Tatiana Barros, o projeto visa incentivar através de um jogo de tabuleiro, o interesse e a habilidade de meninas do Ensino Fundamental I em competência lógico-matemáticas, afastando o estereótipo de que matemática é coisa de menino. Para conhecer os outros projetos finalistas clique aqui.
Vencedoras Prêmio Mulher Tech em Sampa

Vencedoras Prêmio Mulher Tech em Sampa

Todas as vencedoras agradeceram o prêmio com um discurso bem parecido onde diziam estar muitos gratas pelo reconhecimento e enfatizando que seu propósito com o projeto é emponderar, incluir e capacitar cada vez mais as mulheres no universo da tecnologia.
Ana Fontes destaca que as startups no Brasil ainda são dominadas por uma maioria masculina, que representam 95% e é essa realidade que a iniciativa e todas as participantes do evento desejam mudar. Que venha a terceira edição do prêmio. Quem eu vejo lá?