Romero Rodrigues, fundador e chairman do Buscapé, empreendedor pioneiro da Web, que comandou durante 17 anos a operação de um dos negócios de maior sucesso da Internet brasileira, irá agora ajudar novos empreendedores na criação e estruturação de empresas inovadoras como sócio da Redpoint eventures, venture capital do Sillicon Valey que em três anos já investiu em mais de 20 startups no País.

Como Romero já havia antecipado em seu artigo no LinkedIn publicado em setembro passado ao anunciar sua saída da operação do Buscapé, “Em meio ao turbilhão que vivemos na nossa adolescência empreendedora, foram muitos os mentores que nos pegaram pelas mãos para nos guiar e ajudar a vencer nossa inexperiência de jovens aventureiros. É chegada a hora de retribuir, como já tenho feito como investidor-anjo e através da minha atuação na Endeavor como mentor e membro do conselho. Dedico agora meu tempo a dar e a receber, a cultivar a paixão pelo empreendedorismo”.

Romero ingressa na Redpoint eventures como um dos sócios ao lado de Anderson Thees e Manoel Lemos, que comandam o escritório brasileiro; além dos sócios da Redpoint e da eventures, entre eles nomes fortes da indústria digital global, como Jeff Brody, Mathias Schling, Andy Rubin e Tom Tunguzs.

“Não poderia imaginar alguém melhor que o Romero para ser nosso sócio e se juntar ao nosso time. Seu espírito de liderança e sua experiência como uma estrela da história da Internet brasileira são incomparáveis. Ele é um tremendo ativo para Redpoint eventures e nosso portfolio de empresas. Temos enorme confiança na sua habilidade de conquistar valor, crescimento e impacto nas empresas nas quais investimos e de ajudar a acelerar o ecossistema empreendedor do Brasil e em outros mercados”, diz Anderson Thees.

“Romero é um dos precursores da Internet no Brasil. Ele teve um papel crucial no desenvolvimento da Web no País e foi uma inspiração para estabelecermos nosso fundo no País para descobrir, semear e apoiar o crescimento dos melhores e mais brilhantes empreendedores de startup. Seu conhecimento de mercado, experiência em negócios e marketing será um forte ativo para nosso portfolio de empresas”, assinala Jeff Brody.

Disposto a acelerar os negócios da Redpoint eventures no Brasil, Romero considera seus novos rumos uma evolução natural da sua trajetória empreendedora, quando enfrentou e venceu inúmeros desafios à frente do Buscapé.

Nesta entrevista, ele explica qual será sua função na VC, os motivos que o levaram a se associar a um fundo já atuante no Brasil ao invés de estruturar seu próprio fundo e os planos da Redpoint eventures para o mercado brasileiro.

– Qual será sua atuação como sócio da Redpoint eventures? Quais serão seus novos desafios?

RR – Será um papel de investment officer. Meu principal desafio será  ajudar a identificar novas oportunidades, trabalhar com a equipe para selecionar os investimentos que vamos fazer e principalmente, apoiar os empreendedores a crescer suas empresas de forma acelerada. Na prática, meu papel será atuar na busca de empreendedores que vão mudar o mundo, investir neles, ajudá-los a crescer seus negócios e dar ótimos retornos para nossos investidores.

– O que te levou a optar pelo caminho do investimento em capital de risco?

RR – Estar em contato com empreendedores que vão mudar o mundo é minha atividade favorita. Ajudar a criar a melhor VC Firm do Brasil foi a melhor forma que encontrei de aumentar o impacto no ecossistema empreendedor brasileiro. Faço parte do projeto desde o início do fundo, como conselheiro e agora vou me dedicar em tempo integral. Somos o único fundo atuando no Brasil com escritório e sócios residentes e relevantes no ecossistema do Sillicon Valey. Muita gente sempre pediu para co-investir comigo. Agora isso se torna possível através de um veículo oficial.

– Por que decidiu se associar a Redpoint eventures ao invés de estruturar seu próprio fundo de VC?

RR – Por alguns motivos que fui analisando na medida em que tomava a decisão de qual seria meu futuro na indústria digital. Primeiro porque não teria acesso aos melhores profissionais e uma visão estratégica do mercado, especialmente do que está na ponta da inovação no Sillicon Valey. Isso é uma vantagem decisiva para as empresas que vamos investir.

Em segundo porque, além de reunir o melhor time, um fundo de VC precisa saber quais as dores dos empreendedores para ajudá-los na parte tática do negócio e ter uma percepção clara da direção do mercado para trazer os insights estratégicos corretos.

Como empreendedor, passei por todas as dores possíveis durante 17 anos no Buscapé. E precisaria encontrar sócios que também tenham tido experiência empreendedora. Não havia motivo para começar do zero porque já estava ajudando a construir a Redpoint eventures no Brasil. Além disso, conheço o Anderson, o Manoel e o Jeff há 8 anos.

Fazer sozinho me tomaria alguns anos. E dificilmente conseguiria juntar um time tão bom, que se conhece há tanto tempo e opera tão bem em conjunto. E provavelmente perderia o melhor momento pra investir no Brasil, que é agora!

– E por que escolheu a Redpoint eventures e não outros fundos?

RR – Essa é fácil. A Redpoint eventures é a única gestora de VC no Brasil com sócios na operação que participam dos melhores fundos do Sillicon Valey, morando e com network no olho do furacão.

Além disso, os sócios são complementares; alguns têm experiência em IPOs, outros começaram a carreira como empreendedores, a maioria trabalhou em grandes corporações e todos fizeram investimentos antes, alguns como investidores anjo.

Por fim, a Redpoint eventures é um dos fundos mais novos do Brasil, apenas 3 anos contra outros com 10 anos ou mais, e já tem um grande track record. Foi o primeiro a levantar um fundo acima dos US$ 100 milhões, é fundador do CUBO com o Itaú e tem um portfólio de empresas que eu adoro.

Sua entrada significa que a Redpoint eventures irá realizar mais investimentos no Brasil?

RR – Sim, definitivamente. Não trabalhamos com planos ou metas. Investimos quando e sempre que encontrarmos um time espetacular, endereçando uma oportunidade em um mercado grande e de alto potencial. A combinação é importante, mas o que é chave é o time. Historicamente temos feito em média 6 deals por ano, mas esse ano, até agora, já foram 7.

A Redpoint eventures irá levantar um novo fundo?

RR – Sim, irá levantar vários outros. É assim que funciona a indústria. Hoje investimos a partir do nosso fundo inaugural, mas teremos fundos subsequentes sim. Tem muito empreendedor excelente e as boas ideias nunca vão se esgotar.

Para encerrar, por que trabalhar com VC agora? É um bom momento? A crise não atrapalha?

RR – É um ótimo momento! A indústria tem amadurecido de forma consistente, completamente diferente de quando comecei o Buscapé, por exemplo. O ecossistema brasileiro agora tem tudo para entrar em marcha, mesmo podendo melhorar em vários, se não todos os quesitos.

Já temos 100 milhões de pessoas online e ainda faltam mais 100 milhões pra entrar. Temos escala e crescimento garantido. Estamos em plena revolução mobile, com penetração e uso de smartphones numa escalada sem precedentes. Os ingredientes não poderiam ser melhores!