Em sua primeira edição, a São Paulo Tech Week reuniu milhares de participantes em hackatons, feiras de negócios, oficinas e conferências internacionais realizadas em diversos locais da cidade. O objetivo da semana foi estimular a geração de novos negócios e talentos para o setor de tecnologia, além de destacar o posicionamento da cidade como um hub global de inovação.

Com a participação de grandes empresas, como Ambev, Totvs, IBM, Google, Intel, Evernote e Samsung, além de diversas entidades como LabProdam, Sebrae SP, Faculdade Impacta, PUC/SP e FIAP, dentre outras, foram realizadas mais de 120 atividades durante a semana.

A CASE 2015 foi um dos grandes destaques da SPTW. O evento contou com mais de 4 mil participantes e palestrantes internacionais de grande expressão, como Jason Lucash, CEO da OrigAudio, que venceu o programa de TV Americano Shark Tank, além de Morten Primdahl, Fundador do Zendesk, Andrea Barrica, cofundadora da inDinero e partner na 500 Startups e de Bjoern Herrmann, CEO da Compass. Durante sua palestra no evento, Herrmann reforçou a posição de destaque global do ecossistema de startups paulistano: “São Paulo tem capacidade de se tornar o grande centro de empreendedorismo da América Latina”. Confira aqui a entrevista que o Startupi fez com os palestrantes internacionais.

Durante o evento, foi realizada ainda a Demo Brasil, com apresentação de startups, além do Spark Awards, premiação organizada pela Microsoft e ABStartups, que indicou os melhores atores do ecossistema brasileiro de startups.

A edição de 2015 da São Paulo Tech Week teve grande repercussão, contando com mais de 20 mil participantes e cerca de 70 organizações participantes. “O sucesso da SPTW demonstra a importância da realização de parcerias entre os setores público e privado. Os resultados superaram nossas expectativas, comprovando o potencial de inovação que a cidade apresenta”, afirmou o presidente da SP Negócios, Rodrigo Pirajá Wienskoski.

Outro destaque da semana ficou por conta da ICEEB, feira de negócios que reuniu empresas internacionais do setor de eletrônicos de consumo, trazendo produtos inovadores como drones, rôbos para limpeza, relógios inteligentes, além de impressoras 3D compactas e espelho retrovisor Bluetooth com GPS.

Adicionalmente, temas como games, tecnologia para setor financeiro, mobilidade urbana, tecnologia para saúde e vestíveis e internet das coisas foram discutidos ao longo da semana, reforçando a posição de São Paulo nesses setores.

Tecnologia pela Cidade

Uma das atrações da SPTW foi trazer discussões e experiências com a tecnologia para o espaço público, envolvendo a população da cidade. O X-Drones, realizado no centro de São Paulo, trouxe uma obra que misturou a milenar tecnologia de bambus, criando estrutura artística sem uso de parafusos e cola, com uma tecnologia de drone open source, desenvolvido pelo Mirante Lab. A experiência possibilitou que participantes tivessem, pela primeira vez, a oportunidade de dirigir um drone.

Já o Paulista Hack, realizado no vão no MASP, trouxe para o espaço público palestras inspiradoras, pitches e networking entre a comunidade inovadora de São Paulo, buscando ocupar a Paulista com o espírito criativo e inovador característico de São Paulo.

Maratonas de inovação

Durante a SPTW, foram realizadas diversas competições envolvendo desenvolvedores, empreendedores e designers. A Ambev promoveu, pela primeira vez, um hackathon envolvendo cerca de 200 participantes, dentre desenvolvedores e empreendedores com o desafio de propor inovações para melhorar a experiência dos consumidores.

Buscando incentivar a reinvenção do conceito de viagens no Brasil, a Sabre Corporation também organizou seu primeiro hackathon na América Latina. Durante um final de semana, as equipes desenvolveram soluções inovadoras relacionadas ao setor de viagens, explorando novas oportunidades para a indústria do turismo.

Em Paraisópolis, foi realizado o Startup Weekend to Improve Lives, em que jovens tiveram 54 horas para identificar desafios da comunidade e propor soluções para os problemas mapeados. Dentre os vencedores, se destacou o Primavera, aplicativo criado para promover a redução da violência doméstica na região.

Mulheres na Tecnologia

Um dos principais temas abordados na SPTW foi a inclusão de mulheres no setor de tecnologia. Em parceria com o Technovation, o Google e o CUBO apoiaram a exibição do documentário Code Girl, que conta histórias de garotas que usam a tecnologia para desenvolver suas comunidades. Ainda no CUBO, foram realizadas palestras sobre o tema de mulheres na tecnologia, reunindo executivas do setor, além de mentorias e oficinas para empreendedoras digitais.

Na FIAP, foi realizado o Women UP Games, debate que buscou reforçar a importância da mulher no mundo do desenvolvimento dos games. Já a Maratona Rodada Hacker, reuniu mais de cem meninas em torno da tecnologia. De Parelheiros a Pinheiros, da Vila Madalena ao Capão Redondo, meninas e mulheres participaram de seis oficinas voltadas ao ensino de programação.

Para crianças

A SPTW reuniu iniciativas para todas as idades. O Expo LUG, realizado na Impacta, contou com exposição de projetos realizados pela comunidade de LEGO no Brasil, além de campeonato de sumô de robôs autônomos, corrida de carros com controle remoto feitos com LEGO e partidas de futebol por meio de robôs.

Com o evento Startup in Shoool, alunos da ETEC Parque da Juventude e do CEU Jaçanã, passaram por oficinas de desenvolvimento de aplicativos e geração de ideias de negócios. Já o Code CLUB, realizado no Garagem FabLAb, trouxe a tona a importância da realização de oficinas de programação para crianças através da criação de clubes.