Aconteceu nesta semana o pré-congresso (23/06) e o congresso (24/06) chamado CIA – Congresso de Investidores Anjos, realizado pelas Anjos do Brasil em São Paulo.

Durante o dia 23 foi realizado o pré-congresso, proporcionando aos participantes convidados a oportunidade de debater em profundidade assuntos relacionados ao mercado de Investimento Anjo no Brasil. O encontro contou com um workshop sobre as melhores práticas de mercado, com a presença de Marcos Hashimoto e Juliene Piniano, com um painel sobre as tendências no financiamento de startups com Manoel Lemos e Edson Rigonatti, além das sessões com Fábio Kon falando sobre os modelos de financiamento público para Startups da Fapesp e sobre novidades na plataforma Gust com David Blake.

Acompanhamos de perto a sessão de Seed Round promovido pela Apex-Brasil, onde 6 Startups com grande potencial de crescimento se apresentaram a um grupo de investidores de diferentes países (EUA, Canadá, Portugal e Brasil). Foi uma ótima oportunidade para as Startups verem de perto, como cada ecossistema reage diante das diferentes soluções apresentadas.

As Startups participantes foram:

Content Tools – Software de desenvolvimento, gerenciamento e compartilhamento de content marketing.
EadBox – Plataforma que permite a criação e veiculação de cursos online.
Opinion Box – Desenvolvedora de soluções digitais para pesquisas de mercado e coleta de dados primários.
Retroca – Plataforma para compra e venda de roupas infantis (até 12 anos) novas, semi-novas ou com pequenos defeitos.
Bright Photomedicine – Emprega tecnologias para proporcionar saúde e bem estar através da Fotomedicina.
MovPack – Uma combinação de mochila com skate elétrico retrátil para locomoção.

Jayme Queiroz, da Apex-Brasil, contou ao Startupi que buscou uma seleção distinta de Startups: Soluções para o mercado educacional, de saúde, com hardware e de base digital, e que também possuíssem modelos de negócios diferentes, B2C e B2B, justamente pela diversidade dos investidores presentes. “Boa parte do que se faz aqui se escoa para uma rede muito grande, pois cada investidor representa uma rede, muitos outros investidores e diversos contatos. Espero com essa ação gerar bons resultados a médio e longo prazo” afirma Jayme.

Já o congresso, realizado no auditório da FGV no dia 24, contou com a participação de convidados muito especiais. No início do dia, após a abertura e boas vindas do Cássio Spina, fundador da Anjos do Brasil, o Ministro do MCTI Aldo Rebelo revelou que seus planos estão voltados para diminuir os obstáculos para inovação e ciência no Brasil.

Aldo Rebelo, Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)

Aldo Rebelo, Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI)

“Hoje o Brasil está entre as 10 maiores economias do mundo e não conseguimos nos manter nesse ranking sem investir em tecnologia e inovação”. Segundo Aldo, o Governo e a sociedade precisam entender as iniciativas e propostas de instituições como a Anjos do Brasil e então apoiá-las. Aldo promete criar um ambiente favorável para Startups e Investidores para que possam desenvolver tecnologia. “Queremos apoiar esse movimento para colher frutos no futuro”.

No painel sobre Macroeconomia e Investimento Anjo, Tales Andreassi esteve junto com Gilberto Sarfarti, que apresentou alguns números sobre uma pesquisa realizada recentemente com investidores anjos. O perfil dos pesquisados revelou que eram em maioria investidores com faixa etária média de 44 anos, que fizeram seu primeiro aporte de capital aos 38 anos e que possuem atualmente uma média de 3 empresas investidas.

A pesquisa revelou que, quando perguntados sobre onde pretendem colocar seu capital ainda este ano e no próximo, mais de 30% dos participantes responderam que pretendem manter ou aumentar sua participação em investimentos anjo contra apenas 7% que pensam em trocar o foco da aplicação do capital para compra novos imóveis.  Gilberto concluiu que os executivos brasileiros estão cada vez mais dispostos a investir e novos riscos, mesmo considerando o atual cenário econômico.

Logo após, pudemos entender um pouco mais sobre o Investimento Anjo no mundo com Jim Connor ( Membro da Sand Hills Angel), Yuri Navarro (Diretor Executivo da National Angel Capital Organization) e Humberto Matsuda (Membro da Performa Investimentos).

Jim destacou durante o painel que nos Estados Unidos eles demoraram 35 anos para construir o ecossistema de Startups que existe hoje e que, infelizmente, não temos mais esse tempo. As coisas precisam acontecer de forma rápida para conseguirmos acompanhar o crescimento e desenvolvimento do ecossistema. Ele destaca que o Governo é parte fundamental para o desenvolvimento e precisa participar de todo o processo.

Yuri destaca que no Canadá precisou haver uma mudança cultural, pois o país era muito conservador e não sabia o que fazer com a tecnologia. “O Canadá é um país pequeno, mas não é como no Vale do Silício em que todos ajudam, entendem e apoiam as Startups”. Ele destaca que há 5 anos era muito difícil encontrar um Investidor Anjo que investisse em uma Startup no Canadá, elas eram levadas para os EUA, mas isso mudou. “Tivemos que entender que investindo em empreendedores, geramos empregos e isso melhora a economia do país.” Yuri destaca que enxerga grande potencial no Brasil e diz que o Canadá está disposto a auxiliar outros países principalmente o Brasil e outros da América Latina.

Humberto Matsuda, Jim Connor e Yuri Navarro

Humberto Matsuda, Jim Connor e Yuri Navarro

Quando questionados sobre como podemos melhorar e acelerar o desenvolvimento do nosso ecossistema, Yuri cita o exemplo da Internet, que é o sucesso que é hoje, pois as pessoas contribuem para isso. “As pessoas leem e criam conteúdo e é isso que a torna um sucesso. No ecossistema não é diferente, quanto mais pessoas participarem e estiverem envolvidas teremos melhores resultados”.

Andrea Chamma, Vice Presidente do Bank of América Merril Lynch

Andrea Chamma, Vice Presidente do Bank of América Merril Lynch

Logo em seguida foi a vez de Andrea Chamma, Vice Presidente do Bank of América Merril Lynch, que pontuou as tendências de Investimento Global, e que destacou temas que tem maior crescimento de interesse junto aos investidores, como a Revolução da Energia solar e a eólica e saúde do bem-estar. Andrea também destacou que hoje os jovens conectados são os clientes, em função disso é preciso que o mercado se ajuste com novas formas de pensar, para então obter resultados positivos.

Paulo Andrez, Presidente da EBAN, fez durante seu painel, um panorama político de estímulo ao Investimento Anjo pelos Governos Europeus.  Ele iniciou sua palestra questionando a todos para que serve o Investimento Anjo e ficou surpreso quando a plateia ficou em silêncio. “Os investidores Anjo existem só por causa do Vale da Morte, nossa função é tentar salvar as Startups”.

O vídeo abaixo foi apresentado durante a palestra e merece destaque:

Assim como Jim e Aldo Rebelo, Paulo destacou a importância do Governo neste processo, de entender o papel dos Investidores Anjos no mercado. Paulo comenta que em Portugal há 6 anos não existia Investimento Anjo e através do co-investimento com apoio do poder público foi que conseguiram firmar e desenvolver boas parcerias. O co-investimento é simplesmente montar um grupo de investidores para compartilhar os riscos e benefícios de negócios ou até mesmo uma carteira de negócios.

Paulo Andrez (EBAN - União Européia)

Paulo Andrez (EBAN – União Européia)

No painel seguinte, sobre Políticas Públicas de estímulo ao Investimento Anjo, Jayme Queiroz contou que há 5 anos a APEX vem trabalhando no fomento do empreendedorismo e focando na internacionalização das Startups para atrair investidores internacionais.  Para Jayme um desafio é conseguir modelos de histórias de sucesso para espelhar e inspirar outros empreendedores e investidores. Para Cassio Spina, o nosso maior desafio é o senso de urgência e time de mercado “Não basta termos a boa intenção, temos que ir e fazer. Se não acelerarmos o rítmo, vamos ficar para trás e deixar de estar entre as 10 maiores economias do mundo.

Outra participação especial foi de Romero Rodrigues, Fundador do Buscapé Company, que destacou nem seu painel que o momento que estamos vivendo é muito propício para as Startups “É no momento de crise que as pessoas mudam seus hábitos, comportamento e é disso que as Startups precisam. É a partir daí que surgem grandes ideias e boas soluções” garante Romero.

No último painel do dia, Marcelo Amorim, Sócio da Jacard Investimento, comenta que o Brasil está em terceiro lugar como o país com mais empreendedores, perdendo apenas para China e EUA. E que percebe que boa parte dessa geração Y prefere ter um negócio próprio do que um emprego fixo.

Para Pedro Englert, CEO da Infomoney, o mercado de investimento é como o mercado de empreendedores há 5 anos atrás. “Se meu pai quiser investir, hoje isso não seria provável, por isso é preciso educar as pessoas desde cedo, fazer elas entenderem e terem capacidade de analisar os riscos, que os investimentos podem dar certo e também mostrar o qual é o caminho que elas devem seguir; Hoje falta informação e dar as coordenadas de qual caminho começar”.

Este painel sobre novos modelos de investimento apontou ainda que o Crowdfunding está em alta no mercado brasileiro, tanto para o financiamento coletivo mais tradicional, quanto o Equity Crowdfunding, financiamento por meio de um grande número de pessoas em troca de participação societária. Além disso, o Corporate Venture, ou o capital investido por empresas, já consagrado no exterior, também começa a ganhar relevância no Brasil.

Finalizando o evento, Cassio Spina faz uma breve análise sobre atual momento do mercado. Comenta que “É como ganhar na loteria, não podemos ficar esperando aparecer o próximo Facebook, é preciso pensar a longo prazo”. Segundo ele é preciso aprender com cada investimento e estar pronto para errar. “É como um bebê que começa a andar, e no começo vai levar alguns tombos”.

Cassio Spina, Fundador da Anjos do Brasil

Cassio Spina, Fundador da Anjos do Brasil

A Anjos do Brasil já planeja seu próximo encontro, em breve devemos ter novidades!