O número de profissionais autônomos atingiu 22,9% do total da população ocupada, informou a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) Contínua, divulgada nesta terça-feira (11) pelo IBGE. De acordo com a pesquisa, no segundo trimestre deste ano haviam cerca de 21 milhões de profissionais que trabalham por conta própria no Brasil.

Considerando que boa parte desse segmento são empreendedores e micro empresários, o consultor e presidente da plataforma de gestão financeira para PMEs Nibo, Gabriel Gaspar, listou quatro dicas para que profissionais tenham uma boa gestão da suas finanças.

Separe as finanças profissionais da sua vida pessoal

É importante manter separado o planejamento financeiro pessoal do profissional. Para cada caso você deve ter contas bancárias e métodos de organização diferentes – como ferramentas de gestão que organizem datas de pagamento e recebimento, recolhimento de impostos, empréstimos entre outras tarefas importantes.

Planeje bem as suas férias e gastos de início de ano

O trabalhador autônomo não possui férias regulamentadas, portanto, planeje com antecedência o período em que sairá de férias – lembre-se: é insustentável trabalhar sem interrupções por muito tempo. Fique atento para que estas férias não sejam em épocas de grande demanda para o seu negócio. Outro ponto importante são os gastos usuais do início do ano como IPVA, IPTU, matrículas escolares e renovação de seguros. Antes de gastar por conta, organize-se.

Faça um fundo de reserva

Geralmente, para um trabalhador autônomo, a renda mensal é variável entre os meses do ano. Para diminuir os efeitos desta variação uma ótima solução é a criação de um fundo de reserva. Economize uma pequena parte dos lucros mensais para compor este fundo, que poderá ser utilizado nos meses em que o faturamento for inferior ao necessário para cobrir as despesas básicas. Esta atitude diminuirá drasticamente as suas possibilidades de endividamento.

Pague a sua aposentadoria

É um importante objetivo a longo prazo e permitirá que este benefício complemente a renda de sua casa ao final de sua vida. Realize a sua contribuição mensal ao INSS e transforme este recolhimento em um hábito importante como parte de suas despesas.