De 13 a 19 de outubro vimos a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia e durante todo o mês de novembro temos a Semana Global de Empreendedorismo (costumava ser apenas uma semana mesmo). Entre esses dois marcos, vimos nesta semana que passou três eventos marcantes de startups: a Conferência Nacional de Startups e Empreendedorismo (CASE 2014), a Demo LatAm o Demo Day do Start-Up Brasil.

A CASE, promovida pela Associação Brasileira de Startups, contou com palestras, painéis e feira ao longo da segunda e terça-feira, culminando com a divertida cerimônia de premiação Spark Awards – tudo girando em torno do empreendedor inovador e com a participação de diversos estrangeiros. A Demo LatAM contou com painéis que discutiram ecossistemas regionais, inclusive de outros países, com convidados internacionais.

O Demo Day do programa federal de aceleração Start-Up Brasil trouxe representantes das entidades responsáveis para fazerem um balanço dos resultados conquistados pelas startups da primeira turma a entrar no programa (outras duas estão em aceleração e em breve será conhecida a lista de selecionados para a quarta turma).

Juntos, esses eventos passaram recados importantes:

  1. quando se fala em startups, a figura central é o empreendedor (mesmo que investidores, aceleradoras e mentores sejam importantes);
  2. o mercado brasileiro não está enfrentando um declínio de movimentação (como alguns previram) pois conta com fortes comunidades locais e regionais que trabalham de forma articulada entre si. Os mineiros, premiados como a melhor comunidade, terão na próxima semana seu próprio Demo Day Minas, com dezenas de startups, participantes ou não de programas de aceleração. Florianópolis teve o RD Summit, que mobilizou participantes de todo o Brasil e estrangeiros; São Luís do Maranhão teve o Universo IF da Connepi;
  3. querendo ou não, brasileiros são enxergados pelo mundo como porta de entrada e principal mercado da América Latina, portanto é importante trabalhar algumas coisas de forma alinhada com nossos vizinhos hermanos. Várias aceleradoras no Brasil já receberam equipes de latinos e vários brasileiros já foram acelerar no Chile ou receberam investimento de argentinos;
  4. toda movimentação que vemos no Brasil, mesmo focada em empreendedores e abraçada por aceleradoras, investidores, entidades e governantes, constitui não apenas uma aceleração para as startups, mas uma aceleração para o desenvolvimento e a economia, trabalhando a inovação dentro de diversas empresas e domínios que antes não se viam (nem víamos) como participantes desta corrente pra frente. O movimento de startups não é feito por startups, com apoio de outros agentes, mas é para movimentar todo o Brasil – norte a sul, leste a oeste, dos governos às MPEs, passando pelas corporações e por diferentes entidades – porque sensibiliza e mobiliza pessoas, indiferentes dos contextos em que se inserem. É um movimento de pessoas – inovadoras e empreendedoras, sem necessariamente terem de abrir uma startup ou investir.
  5. parece estarmos ficando melhores (enquanto país) em articular a pesquisa e o desenvolvimento à inovação nos negócios e ao tecido social maior. Claro que ainda falta muito para melhorar, e não estar pronto é um atributo da inovação. O importante é que mundos diferentes (não apenas pela sua tipologia organizacional, mas também pela sua lógica e objetivos) começam a conversar e fazer coisas juntos. É um movimento de pessoas que se energizam para um mundo de visão, determinação, experimentação e resolução (não apenas de criar e vender produtos tecnológicos, mas de viver e trabalhar de forma mais inteligente e acessando os patamares atuais da tecnologia).

Todo esse movimento acontece diariamente, em todos os recantos e recôndidos do Brasil – não apenas semana passada e em São Paulo. Mesmo assim, testemunhei a energia compartilhada entre os empreendedores, a amplitude e a profundidade de toda tração que estamos imputando, conseguindo fincar a bandeira de sua causa e as sementes de seus frutos, que começam a ser colhidos. Para mim, esta foi a Semana Nacional das Startups.