A Y Combinator, empresa criada em 2005 em Mountain View (coração do Vale do Silício, a mítica região inovadora na Califórnia) para acelerar startups, criou toda uma forma de trabalho que serve de modelo em todo mundo. A primeira aceleradora de startups do mundo já encontrou 700 equipes visionárias e talentosas, investiu capital semente nelas (um padrão de 120 mil dólares em troca de 7% de participação acionária) e proporcionou uma rede intensa e vibrante de trabalho em torno delas.

Combinadas, as startups que passaram pela Y Combinator tem um valor de 30 bilhões de dólares (uma média de 42 milhões de dólares, cada). Quem passou por lá em seus primeiros meses de vida? Airbnb, Dropbox, Pebble, CodeCademy, Coinbase, Hipmunk, Reddit, Heroku, 9gag e diversas outras coisas que você certamente já usou (ou ouviu falar). Marc Andreessen, Ron Conway e outros dos investidores mais reconhecidos no mundo atestam publicamente que a YCombinator é a melhor e as demais nem se comparam. De qualquer forma, quando opinião e dados combinam sobre uma coisa, a gente tende a respeitar.

Por isso, mesmo sendo averso a “verdades absolutas” (especialmente aquelas que falam sobre o futuro), resolvi compartilhar com vocês uma lista que a YCombinator publicou recentemente. A justificativa deles ao publicar a lista foi de que “estamos há vários anos torcendo que alguma equipe surja buscando solucionar problemas nessas áreas”. Entretanto, eles mesmos advertem: “você não deve criar um produto ou uma empresa nessas áreas apenas porque nós sugerimos, ou apenas para buscar aceleração conosco”. Confira também os “fatores-chave para o fracasso”, conforme apresentados no “Livro Negro do Empreendedor”.

Energia

Há uma correlação marcante entre o custo da energia e a qualidade de vida. Energia mais barata pode ser importante para reduzir a pobreza e novas fontes energéticas podem impactar a economia, o meio ambiente, o futuro e aplacar conflitos existentes.

Veja as matérias que já publicamos sobre energia.

Inteligência artificial

Considerando os possíveis impactos (comentados pelo diretor da YC), parece pequeno o número de pessoas trabalhando nessa área. Muita gente se refere a IA com espanto ou deslumbre, mas não parece que há avanços suficientes para demarcar uma grande diferença entre “o antes e o depois”.

Veja as matérias que já publicamos sobre inteligência artificial.

Robótica

Robôs serão uma maneira dominante de fazermos as coisas no mundo físico. A definição da YC para robôs é bastante ampla, podendo ser um carro que dirige sozinho até formas de exploração espacial e do corpo humano.

Veja as matérias que já publicamos sobre robótica.

Biotecnologia

Ainda é cedo, mas a YC acredita que já consegue ver progresso na forma como “hackeamos” a biologia. Ler DNA já se tornou bastante rápido e barato e muitas coisas virão pela frente conforme formos melhorando na forma como escrevemos DNA. Combater doenças, retardar envelhecimento, fusão cibernética, transferência de memórias e programação genética são apenas algumas das áreas que podem se tornar bastante progressivas – e controversas – ao longo das próximas décadas.

Veja as matérias que já publicamos sobre biotecnologia.

Atenção à saúde (healthcare)

O custo de cuidar da saúde está aumentando em níveis alarmantes em diversos países. Cuidados preventivos e outras formas mais eficientes e baratas de cuidar da saúde das pessoas são uma necessidade. Sensores, dados e dispositivos podem ser uma área muito boa para startups.

Veja as matérias que já publicamos sobre saúde.

Farmacêutica

O desenvolvimento de drogas está cada vez levando mais tempo e custando mais dinheiro. Deve haver outrass formas de se fazer isso. Coisas como nootrópicos (componentes que aumentam o desempenho cognitivo das pessoas) são de grande interesse e parecem pouco explorados.

Veja as matérias que já publicamos sobre farmácia.

Comida e água

Em algum momento, teremos problemas de distribuição. A tecnologia certamente terá um papel fundamental em prevenir ou solucionar isso.

Vale ver este artigo com entrevistas e exemplos de inovação em diversas áreas ligadas a alimentação.

Educação

Se conseguirmos solucionar a educação, possivelmente poderemos solucionar todas as outras áreas nesta lista! Os primeiros esforços para usar a tecnologia (especialmente a internet) para distribuir conhecimentos tradicionais já se provou um sucesso, mas é preciso mais. Tecnologia de massa combinada com interação em nível individual são particularmente interessantes. Isso pode não requerer uma quebra total de paradigmas, mas ao menos uma mudança na forma de fazer as coisas.

Veja as matérias que já publicamos sobre educação.

Infra-estrutura de Internet

Não podemos mais imaginar a vida sem ela e isso requer que estejamos sempre preocupados em garantir a continuidade e a qualidade dos serviços, em aspectos relacionados a segurança, privacidade, acesso e infra-estrutura. A tecnologia da Internet é a base para outras inovações profundas como o bitcoin. O uso de APIs (protocolos de integração de sistemas) em todas as áreas, bem como outras tendências como a internet das coisas, configuram um espaço poderoso para inovar.

Governo

Poucas startups preparam produtos para atender aos governos enquanto os governos estão em déficit tecnológico, usando produtos ruins. Além de software para melhorar processos existentes, pode ser interessante criar novas categorias de atuação, como financiamento coletivo para serviços sociais.

Veja as matérias que ja publicamos sobre governo.

Humanos aumentados (human augmentation)

Termo derivado da “realidade aumentada” (na qual o uso de tecnologias pode fazer com que o espaço à nossa volta seja virtualmente estendido, enriquecido e ativável com interação). “Gostamos de empresas que querem deixar os seres humanos melhores”, diz a YC. Esta é uma categoria muito ampla, considerando que: a robótica pode aumentar nossa capacidade de fazer coisas; a biotecnologia pode nos ajudar a sermos mais saudáveis, inteligentes e longevos; software pode nos ajudar a focar em ações simples que nos deixam mais felizes, e a grupos humanos se organizarem melhor.

Imagem de abertura: Dreaming intellect, via Shutterstock