Um artigo da investidora Diane Mulcahay no Business Harvard Review essa semana tem causado polêmica. Com o título “Venture Capitals são bem pagos para perder dinheiro” ela questiona a eficiência dos VCs nos EUA.

A discussão não é nova para o lado de Mulcahay. Há outro artigo dela, de 2012, no HuffingtonPost, em que ela “desmonta três mitos sobre venture capitals”. Os mitos, segundo ela, são:

  • Investir em Venture Capital gera altos retornos
  • Investidores pagam VCs para gerar grande performance
  • Investir em VCs de “marca” é uma das melhores estrategias

O ponto, segundo ela, é que, nos EUA, há muitas firmas de capital de risco ganhando dinheiro de Limited Partners, mas não dando retorno financeiro. Isso porque a maioria delas aposta no modelo “2 to 20”, em que o VC ganha 20% do lucro do investimento, caso ele seja bem sucedido, mas também ganha uma taxa fixa de 2% do fundo ao ano. Um fundo de que tem US$ 300 milhões pagaria ao VC US$ 600 mil ao ano e isso dá uma margem para ele viver confortavelmente, sem se preocupar em dar retorno.

“Recentemente vários VCs apoiaram a ideia de que empreendedores devem receber US$ 100 mil ou menos por ano até que suas empresas sejam lucrativas. E se os LPs estruturarem a compensação dos VCs dessa forma?”, questiona.

Uma das mais duras críticas de Mulcahay aos VCs é em relação ao pensamento deles. “Não perguntam o quanto eles podem investir, mas sim o quão pouco. Eles procuram o mínimo, não o máximo”. Ela diz que, quando eles devem colocar seu próprio dinheiro nos investimentos que defendem, há uma dicotomia de interesse e capital.

“Se os parceiros não estão entusiasmados e comprometidos em colocar capital em seus próprios fundos, então os LPs devem entender que aquele fundo é muito grande, a estratégia de investimento é muito arriscada ou não foi provada, ou ainda que VCs não confiam em as própria habilidade de gerar os retornos que prometem. Investidores devem correr, não apenas evitar, esse tipo de fundos”, defende.

O outro lado

Nem todos concordam com as duras críticas de Mulcahay. Nesse artigo da CB Insights é possível ver alguns investidores de peso, muito respeitados no mercado, discutindo o assunto com outro tom.

Uma pesquisa da Cambridge Associates defende que, desde 1999, o mercado de Venture Capital não teve tanto retorno. A pesquisa destaca, por exemplo, que no ano passado, 81 empresas de VC se tornaram públicas, conseguindo agregar o valor de US$ 11,1 bilhões em IPOs.

Curiosamente, a pesquisa também revela que os três setores que mais receberam investimento foram os de saúde, tecnologia da informação, mídia e softwares.

Eles destacam também que, no final do ano, pelo quarto trimestre consecutivo, a distribuição de capital foi maior do que a de arrecadação, distribuindo US$ 6,5 bilhões contra um arrecadamento de US$ 3,5 bilhões.

Ainda são necessários outros dados e uma perspectiva mais global para saber se, de fato, há a bolha que Mulcahay aponta ou ela está exagerando. Para colaborar com a discussão, managing diretor na SVB Capital, compilou uma lista de pequenos fundos de VC (que arrecadaram menos de US$ 200 milhões). Veja aqui.