Em 2011 apenas 15% das pessoas no Brasil tinham Smartphones. Hoje, segundo o IDC Data, 76% dos celulares já são Smartphones. Somos o quarto país em número de usuários, perdendo apenas para China, Índia e USA. Temos que admitir que o grande responsável por isso é o sistema operacional Android e seus aparelhos com preços acessíveis. De acordo com um estudo da Kantar Worldpanel ComTech, 89% dos Smartphones do Brasil operam com Android. Mas, mesmo o Brasil tendo um grande número de usuários de Smartphones, isso não significa que os desenvolvedores de aplicativos ou as startups que desenvolvem aplicativos no Brasil conseguem arrancar rios de dinheiro desses consumidores. Como 89% dos usuários possuem Android e como poucos usuários que usam Android compram Apps ou bens virtuais (in-app purchase) utilizando cartão de crédito, dificuldades de monetização existem. Essa é uma peculiaridade não só exclusiva do Brasil, mas de toda América Latina ou de todos grandes países em desenvolvimento como: China, Índia e Rússia.  Em faturamento, América do Norte (USA) e Europa lideram representando mais de 60%. Ou seja, a boa notícia é que nosso mercado em número de usuários de smartphone é soberano. A má notícia é que não monetiza muito bem. Mas, quem se não os próprios Brasileiros para conseguirem superarem as dificuldades e aproveitarem das oportunidades?

  • Nós entendemos nosso mercado interno como ninguém;
  • Nós sabemos que as pessoas não compram bens virtuais no Android porque às vezes elas não tem nem cartão de crédito;
  • Mas, que tal sistemas de pagamentos integrados com as operadoras?
  • Que tal aplicativos mais simples para funcionarem nos limitados Android que vendem por aí?
  • Que tal explorarmos do modelo Freemium?
  • E ainda, um fato interessante é que mais de 70% do nosso PIB vem do setor de serviços. Que tal Apps para potencializarem esse setor? Apps para consumidores ou empresas, quem sabe.

Resumindo, o mercado é grande, dificuldades existem, mas oportunidades é que não faltam.