Tentei resistir ao clima da “Copa do Mundo da FIFA marca registrada todos os direitos protegidos padrão não mexa comigo quem manda somos nós uma ong que tem 1 bilhão em caixa apenas como reserva” porque de esportivo o evento tem muito pouco. Não queria nem fazer piadinhas e alusões, mas agora vai. Foi.

Terça-feira a seleção canarinho vai enfrentar a seleção chucrute em campo para decidir uma etapa semifinal. No dia seguinte vão jogar Holanda e Argentina e posso apostar que os brasileiros estão se cagando para pegar qualquer um deles (mesmo que a Holanda esteja jogando pouquinho e que os argentinos só tenham charme sorte). Mas o nosso medo deveria estar relacionado à Internet, território onde a Alemanha desponta como empreiteira-mor da periferia global, atacando com muito mais garra do que o incensado Vale do Silício.

Este editorial foi lançado na newsletter do Startupi: 
assine para receber um resumo da semana anterior e dicas para a semana seguinte!

Pouca gente lembra de onde vieram e para onde vão os irmãos Alexander, Marc e Oliver Samwer. Depois de fazerem sucesso com a provedora de conteúdos para celular Jamba (venderam ringtone do Crazy Frog “pra carrámba”), que foi vendida para a VeriSign, e com a Alando, que foi vendida para o eBay, eles pegaram investimento dos suecos AB Kinnevik e fundaram a Rocket Internet em 2007 (depois pegaram mais grana do industriário americano Leonard Blavatnik, do banco JP Morgan Asset Management e de varejistas como a britânica Tesco e as alemãs Tengelmann e Rewe). O total levantado pelo trio já chega a 3,5 bilhões de Euros (pessoas próximas estimam).

A tese dessa incubadora privada muitas vezes chamada de venture builder (coisa que as outras incubadoras deveriam lembrar que são) é  simples: replicar modelos de negócio de sucesso. Sob o comando dos Irmãos Samwer, 102 países na Europa, Ásia, África, Austrália e Américas (tipo, falta algum lugar?) já conheceram 75 empresas Rocket que, em 2013, trouxeram juntas um faturamento de 1 bilhão de dólares.

A blitzkrieg está só começando

Alguns Rockets ficam constrangidos que tenha vazado na Internet uma comunicação interna em que um dos irmãos Samwer chama suas operações de blitzkrieg (um tipo de guerrilha rápida e muitas vezes surpresa), mas eles bem que se orgulham de fazer tudo com garra e rapidez. Em tempo: se você não sabe o que é chucrute, dê um search.

A imprensa alemã comenta um possível IPO do site de moda Zalando, onde o European Founders Fund dos irmãos Samwer tem 17 a 18% de participação (fontes variam). Os responsáveis negam, mas por outro lado, comentam sobre um IPO da própria Rocket, num valuation de 5 bilhões de Euros (6,8 bilhões de dólares). No ano passado, Samwer falou pra Reuters que quer aumentar seu portfolio para 200 a 250 empresas em 5 anos – o que equivaleria a triplicar o que construíram em 7 anos.

Há poucas semanas, durante o evento Consumer Goods Forum (CGF), Oliver Samwer falou ao público que Internet e smartphones nos países emergentes significam que não há mais muito espaço para varejistas presenciais, que deverão ficar limitados em um espaço offline de 10% do mercado. “Seus dias estão contados, lojistas. O que vocês temem vai acontecer bem rápido”, reportou a Reuters. “O que vocês dariam para seus filhos? Eu daria ações da Amazon ou da Rocket, mas não tentaria levar lojas do Carrefour para a China, apenas compraria ações da Alibaba”.

As empresas da Rocket somam 44 milhões de fãs em suas páginas no Facebook, mais do que Apple e Nike somadas. Onde quer que você estiver, corra que “os alemão” vem aí com a sua linha de montagem, com ou sem grana de IPO.

Imagem: Julian Finney/Getty Images.