O disputadíssimo mercado de aplicativos de carros e táxis no Brasil ficará ainda mais aquecido. Isso porque o Uber, um dos principais serviços deste mercado no mundo, finalmente chegou ao país.

Junto com os gringos, ele desembarca no Rio De Janeiro, poucos dias antes da Copa do Mundo. Por enquanto, a Cidade Maravilhosa é a única do país em que o serviço está funcionando. Na América Latina eles têm presença em Bogotá, Panamá, Cali, Lima e Santiago.

Ainda não há informações sobre como e quando o aplicativo deverá se expandir pelo resto do Brasil e América Latina, mas é certo que eles deverão balançar o mercado, já que têm um modelo de negócios diferente do que conhecemos pelos aplicativos de táxi.

Para começar, o Uber não é um aplicativo de táxi. Ele tem uma frota de carros executivos, com motoristas particulares. Ele também costuma cobrar preço fixos por corridas específicas. No Rio, por exemplo, qualquer corrida para o aeroporto Santos Dummont sai R$ 65. O preço é cobrado automaticamente pelo aplicativo (o usuário precisa registrar seu cartão de crédito).

Uma empresa de US$ 10 bilhões

A novidade foi anunciada ao mesmo tempo em que a imprensa internacional está discutindo o valor do Uber. Segundo a Blooomberg, a companhia está procurando novos investidores para atrair mais US$ 1 bilhão em investimento e ficar avaliada em US$ 10 bilhões.

Em agosto do ano passado, a startup levantou US$ 350 milhões e ficou avaliada em US$ 3,5 bilhões. O valor, quase triplicado, em 9 meses, pode empolgar os investidores da empresa. Para atingir tal crescimento, hoje o Uber conta com 900 funcionários e já está presente em 115 cidades ao redor do mundo.