Empreendedores de startups com até 18 meses de existência e que sejam focadas em educação podem contar com o apoio do Start-Ed Lab, desenvolvido pela Fundação Lemann. A ideia do programa é capacitar as empresas do setor com investimento de R$ 20 mil, além de mentoria e apoio no desenvolvimento do projeto.

O processo durará seis meses (de julho a dezembro de 2014) e irá promover seis encontros de dois dias consecutivos uma vez ao mês. A ideia é promover networking e preparar os empreendedores para direcionarem melhor seus produtos ao público-alvo.

Durante o período, eles também visitarão escolas, outras startups e eventos do setor. Também haverá oficinas sobre empreendedorismo na educação, falando sobre ferramentas de gestão, modelos de negócios, captação de investimentos, etc.

No começo do ano falamos de um outro programa também da Fundação Lemann, o Start-Ed Nas Escolas 2014, que dará até R$ 300 mil a empreendedores de educação. A grande diferença deste programa para o Start-Ed Lab, segundo a organização, é o fato de o primeiro ser focado a empresas já mais desenvolvidos.

Além de exigir que a startup tenha menos de um ano e meio de vida, o programa exige que o produto a ser desenvolvido seja também a principal solução da startup e que ele considere a realidade do ensino nas escolas brasileiras, conseguindo ser aplicado sem grandes investimentos tecnológicos. Apesar de não exigir que a empresa já tenha registro formal, é necessário que o responsável pela inscrição esteja 100% dedicado ao seu negócio.

O edital do programa já está disponível e pode ser acessado aqui. As inscrições vão até 9 de junho. Os selecionados serão divulgados no dia 4 de julho, no site da Fundação Lemann.

Sobre a Fundação Lemann

É uma organização sem fins lucrativos, criada em 2002 pelo empresário Jorge Paulo Lemann, considerado a pessoa mais rica do Brasil, segundo ranking da agência de notícias “Bloomberg“. A Fundação tem como objetivo “contribuir para melhorar a qualidade do aprendizado dos alunos brasileiros e formar uma rede de líderes transformadores”. Para cumprir essa missão, a Fundação aposta em uma estratégia que envolve quatro áreas complementares de atuação: inovação, gestão, políticas educacionais e talentos.