Como está, na prática, a aceitação da bitcoin no mundo? O mapa aberto e colaborativo Coinmap tenta mensurar e responder a pergunta. Ele mostra estabelecimentos físicos e comerciais que aceitam a criptomoeda como forma de pagamento, onde estão e quem são.

Para isso, conta com as ferramentas de vários mapas abertos, como o Map Quest e OpenStreetMap – semelhantes ao Google Maps. No site, qualquer usuário de boa vontade pode ajudar a cadastrar novos estabelecimentos que aceitam a moeda; basta inserir o comando “payment:bitcoin=yes” para bitcoins ou “payment:litecoin=yes for Litecoin” para litecoins.

Algo interessante de se notar no mapa é como está a aceitação da bitcoin e sua irmã, a litecoin, ao redor do mundo. Olhando o planisfério, é simples perceber que a América do Norte é a campeão, com 1877 estabelecimentos registrados, seguida por Europa (1612), Ásia (246), América do Sul (252), Oceania (136), e África (46).

A maior parte da contribuição na América do Sul não vem de seu maior país em extensão territorial. O Brasil entra na lista com apenas 57 locais, enquanto nosso hermanos argentinos ficam com aproximadamente 87. A discrepância é maior se olhamos para os EUA, por exemplo, com 1804 locais registrados; ou na Austrália, com 109.

É claro que os números não são nada precisos, já que dependem do cadastro dos usuários e não há uma forma de visualização exata. No Japão, por exemplo, onde a bitcoin foi largamente difundida, há apenas 26 locais registrados. De qualquer forma, o mapa é interessante para termos uma noção de como está a aceitação da moeda e, principalmente, para conhecer lugares próximos que já trabalham com ela.