A Pleimo formou duas joint ventures com a inglesa New Media Law, empresa que cuida de direitos autorais de marcas do mundo inteiro. A Pleimo é um serviço digital de música, que estimula a música independente criada por Dauton Jonata (leia mais aqui). O empreendedor falou com o Startupi sobre a Joint Venture e contou como fica a empresa a partir de agora. Veja abaixo.

No que consiste essa parceria com o New Media Law?

Na verdade não é uma parceria, a gente constituiu duas joint ventures. Uma é a Pleimo Music Publishing, que vai cuidar dos repasses dos direitos dos artistas independentes: produtos e músicas. A segunda é a Pleimo UK, uma joint venture que cuida da área de streaming. Para essa segunda, vamos formar uma base local da Pleimo em Londres.

Vocês procuraram o New Media Law ou o contrário?

Eu fui convidado para ministrar algumas palestras e ser speaker em algumas conferências no ano passado. Numa delas, fiz um painel sobre a tecnologia que estava sendo desenvolvida no Brasil e isso chamou a atenção da indústria da música fora do país. Foi assim que conheci Ian Penman e Rick Riccobono da New Media Law e em Cannes concluímos o negócio.

Isso é uma sinalização de expansão?

O grande negócio é que nunca tivemos apoio nenhum no Brasil. Chegamos onde estamos agora com capital próprio, nunca houve sequer um apoio de alguma entidade pública ou governamental, ou mesmo não governamental. Também abrimos joint venture na Filipinas. E agora abrimos a Pleimo Corporation na Califórnia, no Palo Alto, e vamos tomar por base as operações de lá porque nunca tivemos apoio nenhum aqui. Batemos na porta do Sebrae e do BNDES e não tivemos nada, tudo aconteceu por bootstrapping. Não pensamos em esperar, fazemos a hora acontecer e seria muito estranho se eu ficasse de braços cruzados esperando algo cais do céu, por isso estamos abrindo nossas bases pelo mundo. Também estamos negociando na Itália, mas ainda é cedo para dizer se algo vai acontecer por lá.

O que essa joint venture significa para a Pleimo?

Significa conquista de território, aumento do número de usuários, oportunidade para artistas independentes disseminarem suas músicas, disseminar a cultura e maior facilidade de reconhecimento. O artista tem que saber onde tocar e a casa de show saber qual artista chamar. Nossa tecnologia abre para isso e tem uma diferença importante de outras plataformas de streaming: quando você assina o conteúdo, você usuário tem o poder de voto de indicar um artista para enviar diretamente 20% do seu pagamento e com isso estimular aquela banda. Temos em torno de 250 mil usuários e bandas, tudo gerado organicamente.

Quais são os próximos passos da Pleimo?

É muito estratégico. O próximo passo sempre é em beneficio do artista e toda a sua cadeia, managers, publishers, editoras, gravadoras, também as casas de shows e os patrocinadores porque fazemos um cruzamento de dados para direcionar o artista, no intuito de colocar as marcas em contato direto com os artista. Queremos beneficiar e facilitar cada vez mais a vida dos artistas independentes.