O Plug & Play Tech Center, sediado em Sunnyvale (no Vale do Silício – Califórnia) já foi notícia aqui no Startupi algumas vezes (1, 2, 3, 4, 5) por incubar, por acelerar ou por investir em startups brasileiras. Já estive lá e também já moderei painel em que participou o Diretor de Desenvolvimento de Negócios do centro, o Fernando Gouveia (sim, brasileiro). Hoje ele me escreveu para contar que “nasceu” o projeto que vem desenhando há vários meses. “Existe bastante talento ainda cru que precisa ser lapidado. Esperamos também ajudar a estruturar o ecossistema de startups, sem o qual elas não decolam”, posicionou.

 

Chama-se Abril Plug & Play o programa de aceleração que o centro montou em parceria com a unidade de negócios digitais do Grupo Abril, que tem Manoel Lemos como Superintendente (ele também é investidor anjo). O foco será em aplicativos para dispositivos móveis (mobile apps). Os projetos selecionados serão incubados durante três meses na sede da Abril e algumas revistas do grupo farão divulgação dos apps. Roger Tamassia vai ser o diretor executivo desta aceleradora. Depois, os projetos passam três meses em Sunnyvale para fazer networking com empresas e investidores estrangeiros.

“O objetivo é encontrar pessoas com talento, drive e grandes ideias, especialmente as que não estiverem relacionadas a produção e distribuição de conteúdo, revolucionando assim a forma como nós fazemos negócios e assumindo uma cultura empreendedora de testar premissas e tomar riscos. Estamos animados”, declarou Lemos em nota divulgada em inglês. “O Plug and Play tem um histórico de ajudar empresas como Paypal, Google e Dropbox e este programa vai ajudar as startups a crescerem nao apenas no Brasil, como no mundo”, declarou Saeed Amidi, fundador e CEO do centro tecnológico.

Interessados devem se inscrever pelo site abrilplugandplay.com. Diversos profissionais vão analisar os projetos e selecionar os melhores. A aceleração vai consistir em apresentação a clientes, ajuda para prototipagem, aconselhamento jurídico, um Demo Day e  uma contribuição de 25 mil dólares como capital semente. Em troca, as startups darão 15% de participação acionária à aceleradora.