Com a meta de atingir 400 mil pedidos mensais e transacionar R$ 160 milhões aos restaurantes parceiros neste ano (128% a mais que os R$ 70 milhões em 2013), o iFood adquiriu a Central do Delivery, empresa que, predominantemente, mantém parceria com renomados restaurantes das regiões Nordeste e Norte.

Ao todo, com a operação, serão incorporados 260 novos estabelecimentos ao iFood, fortalecendo a base nas capitais Recife (PE) e Belo Horizonte (MG), além de iniciar atuação em novas praças, como João Pessoa (PB), Campina Grande (PB) e Manaus (AM).

A primeira aquisição de um concorrente reforça o crescimento atingido pelo iFood no ano passado, quando os pedidos mensais dos clientes saltaram da casa dos 40 mil para 130 mil em dezembro. De acordo com Felipe Fioravante, CEO da empresa, o segundo round de investimento realizado pela Movile, de R$ 5,5 milhões, foi fundamental para a companhia conseguir triplicar o volume de pedidos, já que o capital propiciou a expansão geográfica e o consequente aumento do número de restaurantes parceiros.

“Após crescermos de forma orgânica ao longo de 2013, decidimos comprar a Central do Delivery para acelerar nossa atuação nas regiões Nordeste e Norte. Sem dúvida, essa operação será importante para alcançarmos a meta de atingir 400 mil solicitações mensais no final deste ano”, argumenta.

Atuando em 13 cidades de grande porte, após a chegada em importantes capitais como Belo Horizonte (MG), Porto Alegre (RS), Curitiba (PR) e Vitória (ES) no ano passado, o iFood planeja expandir o seu serviço para 50 municípios brasileiros economicamente ativos até o final de 2014. “O primeiro passo foi dado com a aquisição da Central do Delivery, mas também vamos investir na contratação de mais pessoas para atuar em nossa equipe comercial. Hoje, mantemos parceria com mais de 1.700 restaurantes e a intenção é duplicar esse número até dezembro”, argumenta o executivo.

Na outra ponta, a empresa também prepara novidades para melhorar ainda mais a experiência dos consumidores. Recentemente, a empresa atualizou as versões dos aplicativos do iFood, adequando as novas configurações e layouts dos sistemas operacionais Android e iOS 7. Também foram inclusas funcionalidades que preveem a possibilidade dos clientes refazerem pedidos anteriores e a opção de sugerir restaurantes que ainda não estejam presentes na plataforma.

“Em abril, também vamos repaginar o site com um design diferenciado. Entre as principais novidades, está à criação de um campo de busca por restaurantes e pratos específicos, além de oferecer ao cliente a possibilidade de acompanhar em tempo real o status do pedido”, informa o CEO.

Mobile

Com mais de 500 mil downloads do app registrados nos sistemas Android e iOS, o iFood recebe 60% de seus pedidos por meio dos smartphones. Segundo Felipe Fioravante, a tendência é de que o número aumente mais neste ano, haja vista que muitos clientes reconhecem a empresa como um aplicativo do que propriamente uma plataforma de delivery presente na web. “A estimativa de maior participação é baseada pelo fato da comercialização de smartphones ainda estar em plena expansão no Brasil. Além disso, o app é um grande facilitador, já que o usuário tem a possibilidade de realizar sua solicitação em qualquer lugar que esteja”, conclui.

Sobre o iFood

O iFood permite a solicitação de pedidos de comida via internet e aplicativos móveis disponíveis nos sistemas operacionais iOS e Android. Em ambos os sistemas, os clientes conseguem selecionar os restaurantes que entregam no local desejado, consultar os cardápios e preços, e em seguida comprar sem a necessidade de ligações telefônicas. Presente em capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Vitória, Curitiba, Porto Alegre, Salvador, Recife, Fortaleza, entre outras cidades economicamente importantes, a empresa atualmente conta com mais de 1.700 restaurantes ativos, registrando 130 mil pedidos mensais e valor transacionado anual de R$ 70 milhões em 2013. O objetivo é expandir o serviço para outros munícipios do País, chegando a mais de 5.000 estabelecimentos e redes de alimentação parceiras até 2015.

Imagem de abertura: Jean-/Flickr (CC)