O empreendedorismo vem ganhando espaço na Campus Party a cada ano. Na edição de 2014, que acontece entre 27 de janeiro e 2 de fevereiro, este vai ser o assunto de maior destaque. “A tecnologia, os games e a música eletrônica, por exemplo, só fazem sentido se chegarem aos consumidores, então fazem mais sentido se a Campus também ajudar a viabilizar essas coisas como um espaço de execução, não apenas de ideias”, acredita Marcelo Pimenta, responsável pelas atividades referentes ao tema.

A Campus Party feita no Brasil tem um histórico de inovar em sua programação e influenciar as edições em outros países. A maratona de negócios feita no ano passado no Brasil foi a primeira a ser realizada, e foi adotada por outras Campus em outros países. Acabou detonando uma nova lógica nas Campus do mundo. Agora, nesta próxima edição, o ciclo se completa e se renova, porque a coisa ganha toda um outra dimensão e até um novo papel.

Assista abaixo a uma entrevista com Marcelo Pimenta e programe-se para participar de um hangout quinta-feira 5/12 às 16h com Guilherme Junqueira, da Associação Brasileira de Startups.

Startup & Makers Camp

“Vamos transformar todo empreendedor em um campuseiro e todo campuseiro em um empreendedor. Tem coisas da cultura da Campus que são benéficas para todos empreendedores, queremos compartilhar esse ‘jeito Campus’ com todos empreendedores. E o campuseiro também precisa encontrar o caminho empreendedor”. Esta mistura vai ser central para um novo tipo de atividade, explica Pimenta.

A principal novidade será o Startup&Makers Camp na área aberta do evento – Open Campus. A intenção é permitir que empresas inovadoras criadas nas Campus anteriores (ou seja onde e quando tenham sido criadas) tenham acesso ao público que visita a Campus – são em torno de 160 mil pessoas que circulam pelo evento. O S&M Camp será um espaço para onde as 300 empresas mais inovadoras do Brasil, previamente selecionadas (inscrições abertas), estão sendo chamadas a transferirem parte de sua operação, ocupando uma mesa de quatro lugares na Campus Party, onde elas vão poder ter acesso a tudo isso que a gente listou aqui!

“Vamos colocar os empreendedores em contato com todos esses potenciais clientes. Vão poder demonstrar, explicar, receber feedback e efetivamente vender seus produtos e serviços. É uma iniciativa com o claro objetivo de dar tração, pois vai proporcionar o aumento no número de clientes, acesso a investidores nacionais e estrangeiros e também a pelo menos 8 mil das melhores cabeças pensantes do Brasil – todos os designers, programadores e demais que vão estar imersos na Campus! Tudo isso pode gerar sociedades, parcerias, jobs e todo tipo de coisa”, visualiza o coordenador.

“É interessante que a gente vai conseguir juntar startups e makers. Isso não vem acontecendo muito no Brasil, desses dois públicos trabalharem lado a lado. Um exemplo: hoje existem vários apps de moto-fretes, e talvez seja no Startup&Makers Camp que essas startups vão encontrar as pessoas que poderão, por exemplo, criar capacetes conectados! De repente vão estar lá os caras que vão prototipar produtos wearable (de vestir), como relógios inteligentes! A ocasião prepara e dá condições de unir todo esse universo! Universidades, centros de pesquisa, Sebrae, investidores, talentos, clientes, etc. Isto é o novo momento da Campus Party, com o Startup&Makers Camp”.

Leia mais sobre o funcionamento do Startup&Makers Camp e faça sua inscrição aqui.

Outras novidades

A costumeira área de inclusão digital passa a ser uma área de inclusão digital empresarial. Serão nove espaços com aulas, oficinas, palestras voltados para os visitantes na área aberta. A programação vai oferecer mais de 200 atividades para ajudar as pessoas a entenderem como entrar no e-commerce, como as ferramentas de geolocalização podem impactar seus negócios, entre vários outros temas. Tudo isso de forma gratuita para todos visitantes do evento. “Não vai ser a Campus que vai resolver o problema dos brasileiros que nunca viram a Internet, mas a Campus pode ajudar todos os empresários que ainda não entenderam como a Internet pode realmente ajudar todos os negócios”, contextualiza Pimenta.

Também haverá novidade sobre as maratonas. Na ediçãoo de 2013, houve uma maratona de criação de negócios voltados para a oportunidade que a Copa do Mundo representa. Na edição de 2014, haverá 4 maratonas, sobre temas diferentes: inovação em comércio e serviços; jornalismo 2.0; educação; negócios sociais.

Esforço integrado para conectar o ecossistema 

Marcelo Pimenta, que está liderando a área de empreendedorismo por meio da equipe de sua empresa Laboratorium, comenta que tem o papel de conectar o ecossistema, coordenar para que todos os atores estejam representados e façam tudo acontecer. “Aceitamos o convite do Paco Ragageles (fundador da Campus Party) e do Tommaso Prennushi (coordenador de Empreendedorismo para as Campus Party de todos países) para fazer esta coisa acontecer aqui no Brasil. Não estamos fazendo do jeito que o Laboratorium quer, mas de uma forma que todos os atores do ecossistema podem ter seu papel, de forma colaborativa, para fazer um evento com a cara do mercado. Queremos é que todas as tribos do Brasil façam sua parte! De norte a Sul”.

Pimenta e o Laboratorium já estão contando com vários parceiros neste trabalho: Startupi, Associação Brasileira de Startups (ABS) e Anjos do Brasil. “Possivelmente, outros atores vão se somar. Estes 4 iniciais são bastante representativos e podem acabar ativando suas redes para que todos os parceiros também estejam colaborando”, acrescenta.

As seguintes pessoas estão coordenando as seguintes sub-áreas: Gustavo Santiago (Startup&Makers), Hiran Murbach (Investidores), Márcia Matos (Conteúdos), Nicolas Hassenstein (Maratonas).