Conversei com Guiherme Calheiros e Francisco Saboya, respectivamente o diretor de inovação e o presidente do Porto Digital. Durante uma hora, no posto avançado de negócios do Porto na Avenida Paulista, discutimos sobre o que torna o Porto Digital tão singular – e bem sucedido.

Uma política pública envolvendo zoneamento para incentivo fiscal, voltada à preservação de 149 hectares de área histórica. Um parque tecnológico urbano aberto, onde 230 empresas já geraram 7 mil empregos – e mais de um bilhão em faturamento. Um ambiente onde empreendedores já se tornaram investidores. Três programas de incubação e, em breve, uma aceleradora. É complexo definir (no sentido de limitar) a iniciativa recifense.

Assista ao vídeo de uma hora e entenda diferenças entre parques tecnológicos, incubadoras, aceleradoras, coisas públicas, acadêmicas, privadas e governamentais.