Cronometro na tela. O governo deu o prazo de um mês para a recém-criada Embrapii (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial) começar a financiar projetos de inovação. A informação foi divulgada pela Confederação Nacional da Indústria, que realizou um evento sobre a nova entidade no último dia 10, com a ajuda os ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação e da Educação.

“O MCTI será o ministério supervisor das atividades. Vamos trabalhar para que a Associação seja qualificada como Organização Social. Então, dependeremos apenas de um decreto da presidente Dilma Rousseff para podermos firmar o contrato de gestão”, afirmou o ministro Marco Antonio Raupp, sobre a expectativa de que o financiamento da inovação comece dentro de um mês. Segundo ele, as regras sobre a seleção de projetos a serem financiados só serão conhecidas depois que a Embrapii estiver formalmente criada.

Atualmente, a Embrapii está na fase de constituição de associação civil, sem fins lucrativos, diz a CNI. Depois disso, a empresa poderá solicitar sua qualificação como Organização Social junto à Casa Civil e, a partir do momento que a qualificação for aprovada, será possível propor o contrato de gestão citado pelo ministro Raupp. Esse contrato será usado na gestão das atividades da Embrapii.

Enquanto isso, quem lidera essa associação civil de maneira interina será Rafael Lucchesi, diretor-geral do Senai. “É o início da política de investimentos públicos no período mais crítico de P&D: o pré-competitivo. Neste modelo, os recursos são divididos: um terço virá da empresa que desenvolve o projeto de inovação, um terço de recurso público da Embrapii e um terço das instituições de pesquisa”, disse Lucchesi, segundo a CNI.

A data divulgada foi importante, mas o evento também tornou mais claros alguns dos contornos da Embrapii. Foram divulgadas, por exemplo, as 16 instituições que são colocadas como fundadoras da associação:

1. Confederação Nacional da Indústria (CNI);
2. Instituto de Estudos para Desenvolvimento Industrial (IEDI);
3. Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (ABINEE);
4. Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (ABOMAQ);
5. Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (ANDIFES);
6. Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (CONIF);
7. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE);
8. Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI);
9. Academia Brasileira de Ciências (ABC);
10. Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC);
11. Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (ANPEI);
12. Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (ANPROTEC);
13. Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa (SEBRAE);
14. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA);
15. Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de Ciência, Tecnologia e Inovação (CONSECTI);
16. Conselho Nacional das Fundações de Amparo à Pesquisa (CONFAP).

Leia mais: MCTI vai destinar R$ 30 bilhões à inovação com a Embrapii

Foto: Cayusa/Flickr (Acesse o original)