O pesquisador PhD Fernando Vaz e seu “homem de vendas” Luís Henrique Santana tiveram uma ideia que pode mudar o jeito com o qual consumimos publicações digitais. Trata-se do BookWood, uma mistura de leitor de livros eletrônicos com algumas funcionalidades extra e plataforma de publicidade. Fernando conta que o produto ainda está em desenvolvimento, mas a patente já foi registrada no Inpi para levar o produto para todos os sistemas operacionais e a maioria dos eletrônicos disponíveis (A gente teve acesso à patente, mas não vai divulgar aqui em respeito à empresa).

A grande pergunta que eles querem responder vem de quem publica livros digitais atualmente: Como é que faz para que o e-book seja visto e lido pelo leitor? Para resolver esse problema, Fernando diz que o BookWood funcionará, primeiro, como um app de leitura que seja capaz de abrir grande variedade de formatos de arquivos.

“Queremos que ele se torne o app de leitura favorito das pessoas, então ele estará disponível em todas as plataformas e eletrônicos”, conta o pesquisador. Além disso, ele fala na integração do programa com serviços de geolocalização, como o Google Earth. “Se a história se passa na Austrália, por exemplo, e a palavra Sidney aparece e é selecionada pelo leitor. Com um toque, é possível abrir a localização no Google Earth.” A ideia, diz ele, é complementar a leitura com informações do tipo.

Essa exploração das informações geográficas também é usada por Fernando para explicar a monetização do produto. “A medida que o leitor queira ver o local, ao lançar o Google Earth, o software abre três camadas de anúncios e o leitor verá milhares de ícones, que serão anúncios de publicação, blog, revista, etc”, conta o pesquisador. Mas ele ressalta que só serão divulgados anúncios de produtos culturais e os anunciantes poderão fazer o gerenciamento dos seus próprios itens divulgados.

Fernando afirma que a BookWood está em fase de captação de recursos e construção do MVP. Entre os possíveis anunciantes para a ideia, ele coloca também os autores que fazem a autopublicação de seus livros.

Foto: Johan Larsson/Flickr (Acesse o original)