Todo mundo cita os resultados prévios da pesquisa, ainda não finalizada nem divulgada, feita pela consultoria IDC para a Cisco. A partir de algumas respostas das 767 pessoas que eles entrevistaram, informaram que a demanda por profissionais de tecnologia da informação e comunicação (TIC) no Brasil excederá a oferta em 32% para o ano de 2015, chegando a uma lacuna de 117.200 trabalhadores especializados em redes e conectividade. Em 2011, aponta o levantamento, a América Latina teve uma lacuna de aproximadamente 139.800 profissionais com conhecimentos em redes e conectividade (representando déficit de 27% na oferta de mão-de-obra).

Aqui no Startupi a gente é claramente a favor dos empreendedores, que até podem ser tecnologistas. Por outro lado, toda empresa precisa de profissionais funcionários, além de fundadores. E quanto mais deles disponíveis, mais as empresas poderão contar com gente que entende de tecnologia e pode facilitar o processo de inovação. Por isso, publiquei a história de um empreendedor que botou a mão na massa para aprender código e conseguir botar seu produto no ar. Por isso, também, aceitei o convite para palestrar para desenvolvedores em um evento neste sábado em São Paulo.

Leia também um post de Bryan Goldberg, no Pando Daily, sobre “Coisas que vale a pena aprender”.

O DevBrasil (criado há alguns anos por Ramon Durães, mesmo empreendedor da Mozit, que apresentei nesta matéria) é a maior rede social no Brasil para desenvolvedores de software reunindo quase 10 mil profissionais que tiram dúvidas, aprendem e compartilham lições aprendidas com outros desenvolvedores. Uma vez por ano realizando um encontro chamado de DevBrasil Summit para promover um grande networking entre os profissionais trocando experiências e gerando novas oportunidades entre os participantes. Neste sábado, centenas de desenvolvedores são aguardados para um dia cheio de palestras e oficinas, tanto técnicas quanto de negócios e estratégia.

  • 08:00-09:00 – Credenciamento
  • 09:00-09:15 – Abertura
  • 09:15-10:00 – Aplicações modernas, [ Ramon Durães (MVP – Microsoft, 2PC) ]
  • 10:00-10:45 – Colaboração Humana, Inovação Coletiva e Crowdsourcing, [ Gil Giardelli (Gaia Creative) ]
  • 10:45-11:30 – Ecossistema desenvolvimento de software [ ( Rodrigo de Carvalho – Microsoft ) ]
  • 11:30-12:00 – ASP NET WebAPI , Waldyr Felix [ ( MVP – Microsoft, 2PC ) ]
  • 12:00-13:30 – Intervalo para almoço( por conta dos participantes)
  • 13:30-14:00 – Desenvolvendo Aplicações com Kinect SDK [ ( Paulo S. Moraes Junior ) ]
  • 14:00-14:30 – Startups: o que é mito, o que é realidade”, [ Diego Remus (Startupi) ]
  • 14:30-15:00 – The Lean Startup vs Startup convencional : diferenças e oportunidades [ Almir Meira Alves – FIAP ]
  • 15:00-15:30 – Visual Studio LightSwitch, [ Eduardo Pires( MSP – Microsoft ) ]
  • 15:30-16:00 – Programação paralela em C#, [ Bruno Soninho( MVP – Microsoft ) ]
  • 16:00-16:30 – Entity Framework – [ Carlos Mattos( MVP – Microsoft ) ]
  • 16:30-17:00 – Monetizando seus APPs para Windows 8 com C# [ Ricardo Dorta( MVP – Microsoft, Smyowl ) ]
  • 17:30-18:00 – Encerramento

Mais informações sobre o estudo da IDC

A demanda por profissionais de tecnologia da informação e comunicação (TIC) no Brasil excederá a oferta em 32% para o ano de 2015, chegando a uma lacuna de 117.200 trabalhadores especializados em redes e conectividade. Os dados são de um novo estudo da consultoria independente IDC, encomendado pela Cisco na América Latina.

O estudo “Habilidades em Redes e Conectividade na América Latina” (Networking Skills Latin America), analisou a disponibilidade de profissionais capacitados em TIC entre os anos 2011 e 2015, em oito países da região: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, México, Peru e Venezuela.

No ano 2011, a América Latina teve uma lacuna de aproximadamente 139.800 profissionais com conhecimentos em redes e conectividade (aqueles necessários para planejar, desenhar, administrar e apoiar as tecnologias de redes em uma organização), com uma projeção de aumento desta lacuna para 296.200 para 2015. Estas cifras representam uma carência de 27% no ano de 2011 e de 35% em 2015.

A demanda por profissionais capacitados em redes e conectividade na América Latina está motivada pelas seguintes tendências:

–          Demanda por uma maior eficiência na infraestrutura de TI, com a virtualização como o grande vetor.

–          Rápida adoção de TIC por parte dos governos e o setor privado

–          A proliferação de dispositivos conectados

–          Requerimentos da rede para suportar aplicações interativas (vídeo) e negócios suportados por TIC virtualizados.

–          Crescente demanda de conectividade baseada ou hospedada na nuvem através de múltiplas empresas

No Brasil há o impacto também da Copa do Mundo 2014 e Olimpíadas 2016 no aumento dos investimentos em TI por parte das empresas e Governo.

Resultados-chave do estudo no Brasil:

  • A lacuna de profissionais de rede e conectividade no Brasil em 2011 foi de aproximadamente 39.900 trabalhadores, o equivalente a 20% entre oferta e demanda de mão de obra.
  • A maior escassez ocorreu na chamada rede essencial, como segurança, telefonia IP e redes sem fio, com uma lacuna de 23.643 profissionais ou 17%.
  • Percentualmente, porém, a rede emergente, como comunicações unificadas, vídeo, computação em nuvem, mobilidade e data center e virtualização, representou uma maior escassez, com 27% entre a oferta e demanda de profissionais qualificados, uma lacuna de 16.232 profissionais em 2011.
  • Em 2012, a demanda prevista foi de 239.653 empregos na área de redes, com a possibilidade de chegar a 363.584 em 2015.
  • Para o ano de 2013 a previsão é de 276.306 vagas para 199.819 profissionais, uma lacuna, portanto, de 28% ou 76.487 de mão de obra.
  • As 363.584 vagas previstas para 2015 devem se concentrar mais na rede essencial com 232.032, mas a lacuna maior será na rede emergente, com 131.552 vagas para 64.650 profissionais qualificados (escassez de 51% ou 66.702 profissionais).
  • Com esses números, o Brasil é o segundo país com dificuldades para encontrar candidatos tecnicamente qualificados, ficando atrás apenas do México entre os países pesquisados na América Latina. Isso ocorre porque com a disponibilidade insuficiente de profissionais capacitados no mercado fica mais caro contratar e empregar profissionais de rede qualificados.
  • O Brasil registrou a menor taxa de recrutamento de profissionais de rede com apenas 19% das empresas entrevistadas contratando especialistas de rede durante o último ano. Considerando essa falta de candidatos qualificados, a IDCconsidera que as empresas brasileiras estão cada vez mais obtendo habilidades de rede de provedores de serviços por meio da terceirização.
  • As políticas governamentais e a dinâmica do setor são fatores de motivação importantes de um mapa tecnológico planejado. Apesar do aumento sazonal de desemprego no Brasil, a mão de obra qualificada permanece escassa o suficiente para forçar os empregadores a pagarem mais para competir por especialistas. Por outro lado, isso pode alimentar uma pressão inflacionária. A escassez de mão de obra qualificada forçou a média salarial a uma alta para atender à demanda do consumidor.
  • Os investimentos em TI por parte das empresas e governo para atender a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos, 2014 e 2016, respectivamente, e os recentes incentivos fiscais do Governo sobre equipamentos de rede (incluindo dispositivos para o consumidor, como smartphones), juntamente com “novas” regras para o leilão do 4G contribuem para aumentar a lacuna de habilidades.
  • A IDC espera que o mercado de TI cresça a uma CAGR (taxa de crescimento anual composta) de 12% entre 2011 a 2015 no Brasil.

Destaques da América Latina

  • Os conhecimentos básicos em redes como segurança, telefonia IP e redes sem fio representaram 55% do total de lacuna de profissionais capacitados em 2011 na América Latina e representará 44% em 2015. Houve uma escassez de cerca  de 76.800 profisionais em 2011, que aumentará para 129.100 em 2015. Essas cifras representam uma escassez de 22% no ano de 2011 e de 25% em 2015.
  • Os conhecimentos em tecnologias de redes emergentes, como comunicações unificadas, vídeo, computação em nuvem, mobilidade e data center e virtualização, representaram 45% do total de lacuna em 2011, aumentando para 56% em 2015. Dentro deste grupo, o estudo estimou uma escasez de pessoal capacitado de aproximadamente 63.000 profissionais, aumentando a 167.100 em 2015. Estas cifras representam uma lacuna adicional projetada de 42% em 2011 e de 53% em 2015.
  • 75% das organizações pesquisadas veem as certificações de fabricantes como um importante atributo para avaliar o potencial de profissionais para posições relacionadas com redes.
  • 25% dos entrevistados declararam ter contratado profissionais de redes nos últimos 12 meses.
  • Uma significativa proporção de organizações (27%) nos oito países pesquisados reconheceu que é difícil encontrar engenheiros com conhecimentos adequados para cumprir os requerimentos de suas organizações. A razão primária disso é o custo associado para contratar pessoal capacitado. A segunda razão é a dificuldade em avaliar a qualidade dos candidatos.
  • As posições de segurança são as mais difíceis de ocupar. Isto porque oconhecimento de segurança é uma demanda crescente nos oito países. 87% das empresas disseram que requerem habilidades extras nesta área nos próximos 12-24 meses.

Metodologia de estudo

A IDC realizou 767 entrevistas em oito países na América Latina: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, México, Perú e Venezuela. As entrevistas foram realizadas entre abril e outubro de 2012 e segmentadas por indústrias verticais e tamanho: governo, educacção, saúde, telecomunicações, serviços financeiros, manufatura, mídia/transmissão/editoras, viagens/transporte/distribuição, recursos naturais e outros serviços em companhias com mais de 100 empregados. Os pesquisados foram selecionados com base em suas responsabilidades com a infraestrutura de rede e administração de professionais envolvidos no desenho, operação e manutenção, desenvolvimento e suporte de redes. A pesquisa foi realizada em espanhol e português. Os resultados foram analisados junto com os dados de práticas de pesquisa da IDC em tecnologias de redes e informação.