O site de crowdfunding de projetos de cinema Cineasta, que quer funcionar como uma ferramenta de financiamento colaborativo, já recebe inscrições de projetos que queiram ser financiados. O processo de curadoria dos inscritos deve ir até a segunda quinzena de março, segundo Leo Curcino, um dos fundadores.

“Além de ajudar na captação de recursos, o Cineasta também quer firmar parcerias que ajudem os produtores a exibir os filmes produzidos e a manter a plataforma a todo vapor”, diz um comunicado enviado por Leo. Segundo ele, os produtores poderão expor projetos e determinar prazo para captação de recursos da comunidade. Se a quantia for obtida no prazo determinado –que vai de 30 a 180 dias–, eles recebem o valor e o site fica com 6%.

“Caso o projeto não consiga o financiamento necessário, quem apoiou pode receber o valor doado de volta ou deixar como crédito para apoiar outro projeto. Os próprios produtores ainda têm a opção de completar o valor, caso consigam pelo menos 70% da quantia esperada por meio das doações”, conta Leo.

Além de pessoas físicas, empresas poderão investir nos projetos e terão a opção de fazer “product placement ou merchandising” de seus produtos, que possibilita a inserção da marca no contexto do filme.

Cineasta.cc // Envie seu projeto e faça um filme from Cineasta.cc on Vimeo.

Em entrevista por e-mail, Leo falou que o Cineasta surgiu para atender necessidades próprias. Ele e seu sócio Pedro vislumbraram a possibilidade de se dedicar integralmente ao cinema e esbarraram no fato de a “indústria cinematográfica brasileira, apesar de sensível expansão, ainda ser dependente de incentivos públicos ou de recursos dos próprios cineastas”. “No atual modelo, são, basicamente, os departamentos de marketing de grandes empresas que escolhem as produções que serão filmadas no Brasil. É um processo, no mínimo, questionável”, conta Leo. Um amigos dos dois, Renato, é designer e se juntou ao time de sócios-fundadores.

A ideia, em si, surgiu no início de 2012 e foram seis meses de estudo, criação e concepção antes de começar ao desenvolvimento, dizem os fundadores. Até o momento, eles funcionam com recursos próprios.

Crowdfunding

As empresas que usam o modelo de crowdfunding, o financiamento de vários pontos de uma comunidade, se expande no Brasil e já recebe players internacionais. Veja alguns dos materiais que já produzimos sobre isso:

– Catarse: comunidade de financiamento coletivo pioneira no Brasil completa dois anos e mostra números

– Marcelo Sales, da 21 212, explica: Por que a Queremos e a PagPop deram certo?

– Financiamento coletivo: When You Wish traz ao Brasil modelo diferenciado de crowdfunding